Descrição de chapéu Previdência

Ato unificado de centrais tem vaias a líderes sindicais

Greve geral programada para 14 de junho não é consenso entre entidades

São Paulo

Apesar de terem promovido pela primeira vez um ato único para celebrar o 1° de maio, líderes das centrais sindicais tiveram seus discursos vaiados em alguns momentos durante a festa, realizada no vale do Anhangabaú, em São Paulo.

As falas no palco foram feitas antes dos shows musicais programados para o ato, e duraram cerca de uma hora e meia. Presidentes de Força Sindical, UGT, Intersindical e CTB ouviram vaias pontuais por simpatizantes de outras centrais de maneira pontual.

A maioria deles defendeu uma greve geral programada para 14 de junho.
A UGT, segunda maior central, porém, não apoia a paralisação. "Sou contra a greve geral, sou a favor do diálogo, por isso fui falar com o Bolsonaro. Acho que greve é um instrumento constitucional, mas só deve ser utilizada quando o diálogo for exaurido", disse Ricardo Patah, presidente da central.

O encontro, realizado na última segunda-feira (29), foi noticiado pela coluna Painel S.A. O sindicalista foi pedir equilíbrio ao presidente no que ele chama de um movimento para extinguir os sindicatos por parte do governo.

A hostilidade do governo aos direitos trabalhistas favoreceu a união de todas as centrais sindicais, segundo Vagner Freitas, presidente da CUT.

Ele veio vestido de branco e com uma camiseta com foto do ex-presidente Lula e os dizeres "Lula Livre" na estampa. 

"A pauta é única, contra a reforma previdenciária", diz. 
O presidente da CUT criticou a posição de Bolsonaro sobre a crise política na Venezuela.

"Vim de branco porque o Brasil é um país de paz. O governo não deve estimular a violência contra o povo venezuelano. A Venezuela é um problema da Venezuela e tem que ser resolvido democraticamente pelos  próprios venezuelanos", disse a jornalistas.

Para o secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves, o Juruna, é preciso reformar a Previdência, mas ele critica a proposta de Paulo Guedes. 

"O que nos interessa é que essa revisão não prejudique os mais pobres. Esse projeto [do governo] não respeita o valor do salário mínimo e não mexe em privilégios de servidores e militares. Vamos ver se ele vai ser macho com desembargadores e não só falar grosso com quem é mais pobre."

Sem dinheiro

As centrais se uniram também por questões financeiras. O fim do imposto sindical, determinado pela reforma trabalhista de Michel Temer, em 2017, e uma Medida Provisória deste ano alterando o pagamento da contribuição sindical comprometeram o caixa das entidades.

 "A luta dos trabalhadores sempre foi feita sem dinheiro. Sindicatos não são entidades financeiramente poderosas. Mas agora a CUT perdeu 85% do que arrecadava. Tem que se organizar. Temos conseguido que a organização política supere as dificuldades financeiras", afirma Freitas.

Sobre um suposto mal-estar com a presença de artistas como a cantora Ludmilla, que recentemente curtiu uma postagem de Bolsonaro nas redes sociais, Juruna diz que "é uma bobagem. O artista que vem é porque canta bem, não vamos perseguir as pessoas porque votaram nesse ou naquele candidato. Não pedimos carteirinha para ver o que as pessoas pensam."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.