Tripulantes veem manobra da Avianca para se beneficiar e suspendem greve

Companhia estaria cancelando voos deficitários e responsabilizando a categoria, segundo sindicato

Arthur Cagliari
São Paulo

Pilotos, copilotos e comissários da Avianca suspenderam neste domingo (19) a greve iniciada na sexta-feira (17).

Eles afirmam que a companhia aérea estaria usando a paralisação dos empregados como manobra para cancelar voos deficitários e se beneficiar com a medida.

Os trabalhadores entraram em greve porque estão com salários e benefícios atrasados. A companhia entrou em recuperação judicial em dezembro de 2018.

Segundo o presidente do SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas), Ondino Dutra, a suspensão ocorre porque a empresa estaria cancelando voos com baixa ocupação e responsabilizando os 
tripulantes.

"A empresa está aproveitando para cancelar voos deficitários, devido ao pouco número de passageiros. Hoje a companhia tem uma taxa de ocupação de 20%, ao passo que as concorrentes se aproximam de 90%", afirmou Dutra.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da companhia aérea, mas não recebeu uma resposta sobre as afirmações dos sindicatos.

"Se você faz uma greve, você a faz para cobrar que a empresa cumpra seus compromissos. Essa é a logica. Agora não faz sentido manter a greve quando a empresa começa a se beneficiar disso", acrescentou. A suspensão da paralisação não tem prazo para acabar.

De acordo com o sindicalista, o SNA deverá ir a Brasília nesta terça-feira (21) para tentar conversar com ministros do TST (Tribunal Superior do Trabalho) e negociar a determinação da Justiça para que sejam mantidos 60% do contingente durante a greve.

O TST acolheu parcialmente pedido da Avianca Brasil, determinando que pilotos e comissários da companhia aérea mantivessem pelo menos 60% dos empregados durante a greve da categoria.

"Vamos tentar conversar [com os ministros] para explicar toda a situação. A empresa estava imputando a responsabilidade do cancelamento dos voos à categoria, o que não é verdade. Ela queria se beneficiar da multa de descumprimento da liminar."

A ministra Dora Maria da Costa estipulou multa diária de R$ 100 mil ao sindicato em caso de descumprimento da sentença. 

A decisão foi tomada em ação cautelar preparatória de dissídio coletivo solicitada pela Avianca, que está em recuperação judicial e não tem pago salários e benefícios de seus empregados.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.