Fuga de cérebros e baixa fecundidade indicam fraqueza permanente da economia

Analistas falam no conceito de histerese e citam ainda desemprego, desalento e ociosidade nas empresas

São Paulo

No ano passado, pela quarta vez consecutiva, o número de brasileiros que imigraram legalmente para os Estados Unidos atingiu recorde na série compilada pelo Departamento de Estado americano, com dados desde 1991.

Foram emitidos 4.458 vistos em 2018, um aumento de 27% em relação a 2017, depois de fortes crescimentos já nos anos anteriores. Entre 2014 e 2015, a expansão foi de 54%.

A tendência de saída de brasileiros para países desenvolvidos é associada à crise econômica dos últimos anos e, segundo especialistas, pode representar fenômeno conhecido como fuga de cérebros.

"Geralmente, quem sai do país é o trabalhador com qualificação mais elevada", diz Bráulio Borges, economista da LCA Consultores.

Como profissionais mais escolarizados são os que têm maior potencial para contribuir com ideias inovadoras, capazes de elevar a eficiência da economia, sua mudança para outros países —se definitiva— prejudica o potencial de crescimento de longo prazo.

Brasileiros em fila na porta do consulado dos EUA em São Paulo
Brasileiros em fila na porta do consulado dos EUA em São Paulo - Eduardo Anizelli - 4.ago.2014/Folhapress

Embora especialistas ressaltem que é cedo para cravar esse diagnóstico em relação ao Brasil, muitos veem com preocupação a combinação desse movimento a outros aspectos, como a persistência de altos níveis de desemprego e desalento, a rápida queda na taxa de fecundidade e uma contínua ociosidade nas empresas.

Isso tem motivado a introdução do conceito de histerese nos comentários de alguns analistas sobre o país.

A palavra, que economistas tomaram emprestada da física há algumas décadas, talvez soe afetada, mas transmite a ideia simples de que crises podem ter efeitos muito duradouros ou até permanentes.

Uma imagem usada para ilustrar o conceito em seu campo original é o de uma mola que, de tanto ser esticada, se deforma e não volta mais ao formato inicial.

"Se vivermos um período muito prolongado de excesso de ociosidade na economia, os efeitos da crise não ficam restritos ao presente, afetam a capacidade de crescer 10, 15, 20 anos à frente", diz Borges.

Para evitar esse cenário, o analista defende que o Banco Central comece a cortar a taxa de juros o quanto antes, a fim de estimular a economia.

Alberto Ramos, diretor de pesquisa para América Latina do Goldman Sachs, discorda de Borges no que diz respeito à política monetária. Para ele, um afrouxamento, se vier, não deveria ser considerado antes da possível aprovação da reforma da Previdência.

Mas o economista também tem usado a palavra histerese para se referir aos riscos que rondam o Brasil. "O desemprego de longa duração mudou o comportamento de parte da força de trabalho", afirma.

Segundo dados do IBGE, o número de brasileiros desocupados de forma ininterrupta há mais de dois anos triplicou de 1,1 milhão para 3,3 milhões entre o último trimestre de 2014 e o primeiro deste ano. Nos últimos meses, a tendência do indicador é de alta.

Provavelmente desanimados com as perspectivas de encontrar uma vaga, um número crescente de pessoas alimenta outra estatística: a do desalento. A palavra é usada para descrever a situação de quem gostaria de estar empregado, mas desistiu de buscar vaga.

A taxa de trabalhadores desalentados também se multiplicou quase por três, chegando a 4,4% do total de profissionais em idade ativa no primeiro trimestre de 2019, segundo o IBGE. Desde que atingiu nível próximo a esse em 2018, o indicador não tem recuado.

O afastamento prolongado do mercado de trabalho faz com que os trabalhadores se tornem menos produtivos.

"Depois de muito tempo, os profissionais se desatualizam e tendem a perder parte do capital humano que tinham acumulado", diz o economista Sergio Firpo, do Insper.

Se no futuro esses profissionais forem reabsorvidos, provavelmente serão menos eficientes, limitando o crescimento das empresas e do país.

Segundo Firpo, outra possibilidade é que parte desses trabalhadores não consiga se recolocar quando a economia voltar a crescer: "Novas tecnologias podem torná-los muito obsoletos para o mercado".

Isso explica outro canal pelo qual desemprego e desalento prolongados podem levar à histerese. Com queda permanente no seu nível de renda, os profissionais deslocados tendem a consumir menos.

A preocupação manifestada pelos economistas brasileiros já foi alvo de debate intenso nos países desenvolvidos após a crise global de 2007.

Em 2016, a então presidente do Fed (banco central americano), Janet Yellen, reconheceu o risco de histerese nos Estados Unidos em um discurso.

"Diversos estudos recentes apresentam evidências de países indicando que recessões severas e persistentes, historicamente, têm tido esses efeitos de longo prazo", disse.

Um dos indicadores mais citados por economistas sobre sintomas de histerese nos países ricos foi a mudança de patamar na taxa de desemprego.

Esse é um alerta que começa a soar no Brasil. A taxa de desocupação, que foi, em média, de 8% entre 2012 e 2014, encostou em 14% durante a recessão. Embora tenha caído posteriormente, nos últimos meses voltou a subir, estabilizando-se perto de 12,5%.

Para o economista Paulo Picchetti, do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas), ainda é cedo para falar em mudança permanente de patamar no mercado de trabalho.

"O desemprego alto ainda parece resultado de um fenômeno cíclico, da recessão hiperprofunda", diz. "A histerese ocorre quando o caráter transitório se torna permanente."

Como muitos debates em economia, é improvável que esse termine como uma conclusão consensual e definitiva. Mas a existência da discussão indica a gravidade da situação.

Borges ressalta que, além dos movimentos no mercado de trabalho e da fuga ao exterior, o choque transitório da crise brasileira pode perdurar também em outros canais.

A alta ociosidade de máquinas e equipamentos nas fábricas, por exemplo, torna os parques industriais obsoletos e, portanto, menos eficientes e competitivos. Isso reduz ainda mais as receitas das empresas, dificultando a retomada de investimentos.

Outro risco é o de queda mais rápida da taxa de fecundidade, já que o temor de não conseguir sustentar os filhos pode afetar o planejamento dos casais.

A forte redução no ritmo de nascimentos no Brasil é anterior à crise e foi motivada por fatores como a inserção da mulher no mercado de trabalho. Mas, segundo especialistas, a recessão pode ter contribuído para a queda, uma das mais rápidas do mundo.

"Em uma sociedade em que as pessoas controlam o processo reprodutivo, quando há crise, quem pensava em ter filho adia —e, dependendo da idade, significa não ter mais. Vemos isso neste momento no Brasil", diz Laura Wong, demógrafa do Cedeplar (Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional), da UFMG.

Uma consequência é a redução mais significativa da oferta de mão de obra no futuro, o que também pode diminuir o potencial de crescimento da economia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.