Para S&P, Brasil agora precisa acelerar PIB para melhora de rating

Atividade econômica brasileira segue abaixo a de países com mesma classificação, segundo agência

São Paulo | Reuters

Mesmo que se a reforma da Previdência seja confirmada, o Brasil ainda precisará acelerar o ritmo de crescimento da economia de forma consistente antes de ter a nota de crédito elevada, disse nesta quinta-feira (11) uma analista da agência de classificação de risco S&P Global Ratings.

"Sem dúvida, a aprovação da reforma da Previdência é um passo importante para desacelerar o crescimento da relação dívida/PIB, mas o Brasil segue com um nível de atividade econômica inferior aos de países com o mesmo rating", disse Livia Honsel, analista principal para Brasil da S&P, em entrevista por telefone.

A agência reafirmou a nota brasileira em BB-, com perspectiva estável, o que significa que o rating do país está três degraus abaixo do nível considerado de baixo risco, o chamado grau de investimento.

Além de ter uma expansão de PIB inferior ao da média dos países com a mesma nota, a S&P ainda revisou para baixo a estimativa de crescimento econômico do país em 2019, de 2,4% para 1%. Mesmo com o ritmo subindo para esperados 2,2% em 2020 e 2,5% nos dois anos seguintes, o país ainda seguirá abaixo da média, disse ela.

Segundo a executiva, a S&P vai esperar as demais votações do Congresso Nacional sobre o texto da reforma previdenciária, que foi aprovada na noite de quarta-feira (11) em primeiro turno para calcular os efeitos fiscais da medida.

No entanto, Livia adiantou que, além da aceleração do PIB, a agência de risco também considerará outros fatores para análise da nota soberana do país, como a expectativa de voltar a produzir superávits primários e o aumento do volume de investimentos privados.

"A reforma da previdência desacelera o aumento da dívida, mas são necessários mais indicadores para dar segurança de que o país entrou num melhor cenário de sustentabilidade fiscal", afirmou ela.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.