Difícil imaginar acordo enquanto a Amazônia queima, diz presidente do Conselho Europeu

Comentário reforçou posição de Macron sobre revisão do apoio francês às negociações

Biarritz (França) | AFP

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse neste sábado (24) que é difícil imaginar que o bloco europeu aprove um pacto de livre comércio com o Mercosul enquanto o Brasil não detém os incêndios que assolam a Amazônia.

"É claro que apoiamos o acordo entre a UE e o Mercosul (...) mas é difícil imaginar um processo de ratificação enquanto o governo brasileiro permite a destruição da Amazônia", disse Tusk ao chegar em Biarritz, no sudoeste da França, para uma cúpula do G7.

Último a chegar, Donald Trump aterrissou em Bordeaux e se juntará a Angela Merkel, Boris Johnson, Giuseppe Conte, Shinzo Abe e Justin Trudeau em um jantar promovido por Emmanuel Macron, que marca o início do G7.

O encontro de EUA, Alemanha, Reino Unido, Itália, Japão, Canadá e França tem uma pauta agitada pela frente, com a guerra comercial entre Pequim e Washington, o Brexit, o programa nuclear do Irã e a agenda urgente das queimadas na Amazônia.

Em primeiro plano, homem louro, calvo, aparenta ter 55 anos, usa terno, fotografado até a altura dos ombros, aperta os lábios em expressão de descontentamento. Ao fundo, marca do evento com a letra G e o número 7, que representa o encontro entre EUA, Alemanha, Reino Unido, Itália, Japão, Canadá e França
Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, fez a declaração durante sua chegada à Biarritz, na França, para reunião do G7 - Ludovic Marin/AFP

governo francês disse na sexta-feira (23) que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) mentiu ao assumir compromissos em defesa do ambiente na cúpula do G20 (grupo das economias mais desenvolvidas), em junho, e que isso inviabiliza a ratificação do acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul, concluído no mesmo mês.

Firmado após 20 anos de negociações, o termo de cooperação comercial entre a UE e o Mercosul prevê eliminar, em 15 anos, mais de 90% das tarifas praticadas hoje nas transações de mercadorias entre os dois blocos.

A Irlanda também afirmou que vai bloquear a implantação do pacto caso o Brasil não atue para combater os incêndios em curso na Amazônia.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou na tarde de sexta-feira (23) um decreto de GLO (Garantia da Lei e da Ordem) que autoriza o emprego das Forças Armadas na Amazônia para combater as queimadas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.