Compra da Embraer pela Boeing será investigada pela UE, diz agência

Órgão questionou fornecedores sobre a aquisição, indicando preocupação com concentração de mercado

Foo Yun Chee
Bruxelas | Reuters

A Boeing deve enfrentar uma investigação antitruste da União Europeia de até cinco meses sobre sua oferta pelo controle da divisão de aviões comerciais da Embraer, segundo a Reuters.

O acordo, que marca a maior mudança no setor aeroespacial comercial em décadas, reformularia o duopólio global dos jatos de passageiros e reforçaria as companhias ocidentais contra os grupos recém-chegados da China, Rússia e Japão.

Isso daria à Boeing uma posição no mercado de aviões com preços menores, permitindo competir melhor com os jatos CSeries projetados pela Bombardier do Canadá e apoiados pela rival europeia Airbus SE.

O acordo avalia a unidade da Embraer em US$ 4,75 bilhões.

A Comissão Europeia, que estabeleceu o prazo de 4 de outubro para sua análise preliminar do acordo, não respondeu a um pedido de comentário imediato feito pela agência de notícias.

O agente da concorrência da UE iniciará uma investigação em grande escala após o final de sua revisão, o que pode levar até cinco meses e aumenta a pressão sobre a Boeing para oferecer concessões para tratar de questões de concorrência.

A comissão recentemente questionou fornecedores e rivais sobre o negócio, indicando preocupações com a concentração no mercado de aviação comercial.

Eles foram questionados sobre o impacto do número reduzido de empresas, de sete para seis e de três para dois em vários segmentos, afirmou uma fonte com conhecimento direto do acordo à Reuters.

Nenhum comentário imediato foi disponibilizado pela Boeing ou pela Embraer.

Analistas de aviação dizem que há sobreposição limitada no número de assentos entre a família 737 da Boeing e os jatos E2 da Embraer, que são menores.

Há um pouco mais de sobreposição entre o portfólio da Airbus e o programa CSeries da Bombardier, que a fabricante de aviões europeia comprou no ano passado, acrescentam.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.