BNDES vai antecipar quase R$ 10 bilhões em dividendos ao governo

Intuito é ajudar governo enfrentar crise e reduzir déficit fiscal

Rio de Janeiro | Reuters

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) vai antecipar quase R$ 10 bilhões em dividendos ao governo federal neste ano, ajudando o resultado fiscal da União, afirmou o presidente do conselho da instituição, Carlos Thadeu de Freitas.

Diante da crise fiscal enfrentada pelo governo federal, que registrará novo déficit em 2019, e também da baixa demanda por recursos do BNDES por parte das empresas, o banco de fomento vai ajudar a União ao antecipar dividendos, acrescentou.

Até agora, o banco já aprovou R$ 4,9 bilhões em antecipação de dividendos ao governo em 2019, referentes ao lucro do primeiro semestre.

Logo do banco com sigla BNDES
Logo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Rio de Janeiro, 8 de janeiro de 2019. - REUTERS

"O BNDES está fazendo seu papel, de um banco 100% do governo, de ajudar o lado fiscal do governo. Dividendos ajudam na redução do déficit fiscal“, disse Freitas.

O BNDES vinha, até o momento, pagando dividendos de acordo com o piso previsto em no seu estatuto, que é de 25%. Mas, para ajudar as contas públicas, o conselho do banco aprovou o pagamento dos dividendos pelo teto estabelecido no estatuto, que é de 60%.

Além disso, os dividendos, que eram normalmente pagos no começo do ano subsequente, agora estão sendo pagos no ano corrente.

“O BNDES ainda deve os empréstimos e está antecipando. O BNDES não está emprestando muito e não precisa competir com os bancos privados. O BNDES é um banco para emprestar no longo prazo, pois tem o FAT [Fundo de Amparo ao Trabalhador] como funding”, disse Freitas.

Além dos R$ 4,9 bilhões já aprovados em antecipação de dividendos até agora, outros R$ 4,6 bilhões estão previstos até o fim do ano, segundo o presidente do conselho, totalizando R$ 9,5 bilhões em 2019.

Paralelamente, o BNDES se programa para devolver ao Tesouro este ano mais de R$ 120 bilhões, que foram irrigados no banco ao longo dos governos do PT. Desse valor, já foram liquidados R$ 70 bilhões, e outros R$ 30 bilhões estão previstos para serem devolvidos em breve.

De janeiro a setembro deste ano, o BNDES emprestou R$ 38 bilhões a empresas, uma queda de 13% ante igual período do ano passado. Com a economia andando de lado, o presidente do conselho do banco estima que os desembolsos devem fechar o ano na casa de R$ 55 bilhões a R$ 60 bilhões, um dos piores volumes dos últimos anos.

“Vemos que será o mínimo dos últimos anos, mas já vemos sinais de mudança“, disse Freitas. “Acho que ano que vem o PIB cresce entre 2% e 3% e os desembolsos sobem para 70 bilhões“, afirmou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.