Dólar tem maior queda semanal desde janeiro e fecha a R$ 4,058

Percepção de que algo será feito para conter a desaceleração dos EUA acalmou mercados

Tássia Kastner
São Paulo

O dólar teve nesta primeira semana de outubro a maior queda semanal desde janeiro, um reflexo de que, ao menos por enquanto, o pânico de uma desaceleração global deu espaço à convicção de que os juros americanos devem cair para conter uma crise.

A moeda americana encerrou o dia a R$ 4,058, no menor patamar desde 13 de setembro. No acumulado da semana, a queda foi de 2,38%.

Não foi um movimento exclusivo do real. Considerada uma cesta de 24 moedas de países emergentes, 19 delas ganharam força ante o dólar. A que mais se valorizou no período foi justamente a divisa brasileira; na ponta negativa está o peso argentino.

A semana foi terrível pelo recorte de números divulgados da economia americana. Indústria e serviços vieram com desempenho abaixo do esperado, a criação de empregos no setor privado caiu em setembro ante agosto. Já nesta sexta, os dados mostraram redução do desemprego, mas a leitura ainda é de que, no conjunto, o Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) ainda deverá cortar o juros para manter a economia crescendo.

E isso significa menor atratividade dos títulos da dívida americana e maior apetite dos investidores em buscar opções mais rentáveis --e mais arriscadas.

Aqui estão incluídos não só os investimentos em ações, mas também a migração de recursos para países emergentes, e isso explica a queda do dólar.

Ainda que seja uma redução expressiva na semana, no ano a moeda americana ainda tem alta de 4,6% e está em um patamar muito distante do que esperavam analistas.

O motivo ainda é o medo de uma recessão e também o desdobramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China, que elevam a incerteza e aversão a risco.

Fora do noticiário nesta semana, devido ao feriado de comemoração dos 70 anos da revolução comunista na China, o tema deve voltar a impactar os mercados nos próximos dias.

As Bolsas também tiveram um alívio com a percepção de que algo será feito para deter uma crise econômica global. Nesta sexta, assim como na véspera, os principais índices globais voltaram a subir.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, ganhou 1,01% e terminou o dia a 102.551 pontos. Na semana, porém, ainda fechou em baixa de 2,40%, algo semelhante ao registrado pelas Bolsas americanas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.