Jornaleco não vive sem mentir, diz Bolsonaro sobre reportagem que mostra falta de recurso para Bolsa Família

Segundo publicação desta quarta-feira (20), orçamento para o programa é insuficiente para pagar 13º aos beneficiários

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro criticou reportagem da Folha publicada nesta quarta-feira (20) mostrando que o orçamento do Bolsa Família para este ano é insuficiente para pagar o 13º para os beneficiários, segundo análise de técnicos do Congresso.

"Jornaleco não vive sem mentir", disse o presidente em rede social. "Suspendi minha assinatura e muitos empresários têm cancelado contratos publicitários nesse jornal campeão de fake news e desinformação", afirmou.

De acordo com nota técnica do Legislativo, faltam R$ 759 milhões na reserva do programa para garantir os pagamentos neste ano. 

Se não houver suplementação de recursos, cerca de 4 milhões de pessoas poderão ficar sem receber o benefício. O número é aproximado porque depende do valor do benefício pago a cada família.

Assim como Bolsonaro, dois ministérios não informam de onde sairá o dinheiro para o pagamento. Procurado, o Ministério da Cidadania disse apenas que o 13º será garantido, mas não explicou como buscará recursos extras. O Ministério da Economia não se manifestou.

O adicional natalino, como é chamado por integrantes do governo, foi anunciado por Bolsonaro e pelo ministro Osmar Terra (Cidadania) em outubro.

Para implementá-lo, Bolsonaro assinou uma medida provisória, que tem validade imediata, mas precisa ser aprovada pelo Congresso em até 120 dias.

Nessa tramitação, a nota técnica elaborada pela Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado serve para subsidiar deputados e senadores, que irão analisar a adequação da MP às leis orçamentárias.

O documento do Legislativo concluiu que a MP fere normas legais ao não prever de onde sairão os recursos para bancar os gastos com o Bolsa Família neste ano.

Responsável pelo gerenciamento do programa, o Ministério da Cidadania havia informado, em outubro, que o 13º seria garantido por um aumento de R$ 2,6 bilhões no orçamento do programa.

Isso foi feito, e, para este ano, ficaram previstos R$ 32 bilhões para a transferência de renda a pessoas em situação de pobreza e de extrema pobreza.

Do total, R$ 25,2 bilhões já foram usados até outubro. Por mês, os desembolsos somam, em média, R$ 2,5 bilhões.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.