Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Cai o presidente do INSS

Órgão enfrenta problemas com filas de espera para concessão de benefícios

Brasília

O Secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, anunciou nesta terça-feira (28) a demissão do presidente do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), Renato Vieira.

Em seu lugar, assumirá Leonardo Rolim, que hoje ocupa a secretaria de Previdência, órgão sob o guarda-chuva da secretaria especial comandada por Marinho.

“Hoje tivemos uma conversa com o presidente Renato Vieira, e ele consolidou sua posição de sair do INSS, a pedido. Foi uma conversa amadurecida ao longo dos últimos 15 dias. O Renato acha que precisa se dedicar a seus projetos e nós aceitamos sua demissão”, disse.

Questionado sobre eventual ligação da demissão com as filas de espera na concessão de benefícios do INSS, o secretário respondeu que a saída se deu por razões particulares.

Técnicos do Ministério da Economia que acompanharam as conversas afirmam que não é possível vincular a saída de Vieira aos problemas no órgão. A avaliação é de que ele cumpria bem seu papel e que, sob sua gestão, o INSS conseguiu acelerar a análise de benefícios mesmo com número menor de servidores. A fila de requerimentos vem reduzindo lentamente desde julho do ano passado.

Segundo Marinho, Rolim conhece de perto o trabalho do INSS e não haverá comprometimento na atuação do órgão. “A ideia é que não haja descontinuidade no trabalho e tenhamos oxigenação nesse processo”, disse.

O governo vem enfrentando uma série de problemas na concessão de benefícios previdenciários.

Atualmente, a fila de espera no INSS é de 1,3 milhão. Esse é o estoque de requerimentos de benefícios que não foram respondidos dentro do prazo legal de 45 dias. Em julho do ano passado, a demora atingia 1,7 milhão de pedidos.

Para tentar resolver o problema, o governo anunciou, há duas semanas, uma força-tarefa. A estratégia prevê que militares da reserva integrem o plano de ação contra a fila de espera.

Contratação de aposentados

Nesta terça-feira, o ministério disse que haverá um novo componente para a ação. O presidente Jair Bolsonaro vai editar uma Medida Provisória para também autorizar civis a atuarem no INSS.

O objetivo é lançar um edital de seleção voltado a servidores aposentados do órgão. O pagamento será similar ao dos militares –um complemento de 30% sobre o valor da remuneração (limitado a R$ 2.000), no caso de atendimento em agências. Para os que ficarem com análise de requerimentos, será pago bônus de R$ 57,50 por processo analisado.

A decisão de ampliar o escopo da ação foi tomada após alerta do TCU (Tribunal de Contas da União) de que a força-tarefa não poderia ser limitada apenas aos militares.

De acordo com o secretário, a necessidade do órgão ainda é de um efetivo de 7.000 pessoas. Essas vagas agora serão distribuídas entre militares e civis. O custo mensal estimado é de R$ 13 milhões a R$ 15 milhões.

A expectativa do governo é que todos os postos estejam ocupados em até quatro meses. A partir dessa etapa, serão necessários mais seis meses para zerar a fila de pedidos em atraso.

"A ideia é que possamos resgatar uma parte desses funcionários para que eles possam nos ajudar a dar velocidade de concessão dos benefícios que estão hoje empossados. É uma medida que está pronta para ser assinada", disse Marinho.

O expresidente do INSS Renato Vieira
O expresidente do INSS Renato Vieira - José Cruz - 17.dez.2019/Agência Brasil

Desde 2018, A CGU (Controladoria-Geral da União) faz alertas sobre a fila de espera no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

​O INSS Digital começou a ser implementado gradualmente a partir de 2017. O uso da plataforma buscou criar um fluxo de atendimento à população fora da agência da Previdência Social e, ao mesmo tempo, evitar atrasos diante da diminuição do número de servidores.

Neste mês, o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, afirmou que a digitalização parcial de serviços fez a fila aumentar.

Segundo o ministério, com a facilidade de acesso, o INSS passou a receber uma média de 264 mil requerimentos a mais por mês. Além disso, houve demora e falhas técnicas na adaptação dos sistemas às novas regras de aposentadoria.

Os problemas do INSS na gestão Bolsonaro

Primeiro ano de governo foi tumultuado no instituto

  1. 18.jan.19

    Bolsonaro envia a MP 871, que recria o pente-fino nos benefícios por incapacidade e cria um novo programa de revisões; expectativa era economizar R$ 9,3 bilhões em um ano

  2. 13.fev.19

    Estudo da Câmara mostra que MP não respeitou exigência da legislação; era necessário antes acrescentar os gastos com o bônus nas leis orçamentárias

  3. 20.fev.19

    Chega ao Congresso a PEC 6, da reforma da Previdência

  4. 22.fev.19

    INSS define as regras do pente-fino e decide aproveitar o pagamento para estimular a análise de pedidos parados; são 2 milhões de benefícios aguardando análise

  5. 25.mai.19

    Servidores do INSS são autorizados a trabalhar em casa; eles têm metas de produtividade maiores

  6. 30.mai.19

    Câmara aprova a MP 871 depois de o governo aceitar mudanças no texto

  7. 12.jul.19

    INSS autoriza o início da execução do programa especial de análise de benefícios. Prioridade passa a ser a redução da fila de espera; 2,5 milhões de benefícios esperam resposta

  8. 10.ago.19

    INSS publica "Estratégia Nacional de Atendimento Tempestivo", conjunto de medidas para reduzir a espera; força-tarefa previa acabar com o estoque de pedido em até quatro meses

  9. 13.nov.19

    Regras aprovadas na reforma da Previdência entram em vigor; novos pedidos ficam parados a espera de adaptação no sistema

  10. 9.jan.20

    Governo discute segunda força-tarefa em menos de seis meses

  11. 14.jan.20

    Governo anuncia força-tarefa com 7.000 militares para reduzir fila do INSS

  12. 28.jan.20

    Demissão de Renato Vieira, da presidência do INSS; Leonardo Rolim, secretário de Previdência, assume o cargo

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.