Petróleo abre em queda de mais de 30%, maior tombo desde a Guerra do Golfo

Após os primeiros negócios, queda diminuía para cerca de 20%, levando a cotação do Brent para a faixa de US$ 36

São Paulo

O petróleo do tipo Brent abriu o pregão desta segunda (9, ainda domingo no Brasil) em queda de mais de 30%, derrubando o preço para perto de US$ 30 por barril. É a maior desvalorização desde a Guerra do Golfo, em 1991, quando o preço chegou a cair 34,77%.

Após os primeiros negócios, o tombo diminuiu para cerca de 20%, levando a cotação do Brent para a faixa de US$ 36. Ao longo do pregão, caiu novamente aos 30%, mas voltou ao patamar dos 20%. Os contratos de Brent são negociados na Bolsa de Londres, que abriu às 23h do horário local (20h pelo horário de Brasília).

Esse é o menor valor do Brent desde 2016.

A forte queda do petróleo contaminava também o mercado de ações: as Bolsas asiáticas recuavam por volta de 4% nos primeiros negócios, queda equivalente dos contratos futuros dos índices americanos Dow Jones e S&P 500. A bolsa de Tóquio chegou a cair 6%, mas teve recuperação e fechou com perda de 5,07%.

As bolsas europeias iniciaram com forte queda, puxadas pela desvalorização das petroleiras, e foram se recuperando lentamente. Nas primeiras horas do pregão, aLondon FTSE 100 estava recuando 5,62%, enquanto a German DAX estava caindo 5,03%.

Analistas do mercado financeiro alertaram, porém, que a brusca queda pode ser amenizada ao longo do pregão. Isso porque o início dos negócios tem volume reduzido de investidores, deixando as oscilações de mercado mais bruscas.

O forte recuo reflete a decisão da petroleira da Arábia Saudita, a Saudi Aramco, de elevar sua produção e oferecer descontos a compradores justamente quando a discussão entre países produtores era pela redução da oferta.

A decisão configura uma guerra de preços em retaliação à Rússia, que na sexta-feira (6) se recusou a fechar um acordo com a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para reduzir a produção de petróleo.

 
O movimento seria uma forma do cartel para evitar nova desvalorização da commodity frente à perspectiva de redução de demanda em um ambiente em que o coronavírus poderá desacelerar a economia global.
 
0
Plataforma de petróleo de Peregrino, no Rio de Janeiro, operada pela Equinor - Ricardo Borges - 22.out.2019/Folhapress

Segundo relatório do banco Goldman Sachs, a guerra de preços poderá manter o valor do petróleo ao redor de US$ 30 por barril no segundo e no terceiro trimestre deste ano. O banco não descarta também que a cotação possa beirar os US$ 20 por barril.

A Rússia, que desde 2016 era aliada da Arábia Saudita e da Opep, a fim de ajudar a firmar o mercado de petróleo, rejeitou apelos por um corte de quase 4% na produção mundial, o que exigiria novas reduções em sua produção, já que a queda acentuada na demanda por parte do setor de aviação e transportes resultou em baixa de mais de um terço nos preços da matéria-prima, de janeiro para cá.

"A Opep e a Rússia estão contemplando o abismo", disse Helima Croft, da RBC Capital Markets. "Pode ser o fim da aliança entre sauditas e russos, mas não está claro o que Moscou teria a ganhar se decidir atear fogo à casa."

(Com agência de notícias)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.