Bolsonaro diz que negociação sobre 5G levará em conta soberania, segurança de dados e política externa

Leilão será tocado pelo recriado Ministério das Comunicações

Brasília | Reuters

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira que o recém-criado Ministério das Comunicações irá tocar o leilão da rede 5G no Brasil e afirmou já ter orientado que a discussão precisa levar em conta aspectos da soberania nacional, segurança de informações e dados e também a política externa, além de questões econômicas.

O ministério foi recriado pelo presidente na véspera por meio de uma medida provisória. A pasta, a ser comandada pelo deputado Fábio Faria (PSD-RN), genro do empresário Silvio Santos, dono do SBT, e integrante de partido que recentemente passou a integrar a base de apoio de Bolsonaro no Congresso Nacional, também irá incorporar as funções da agora extinta Secretaria Especial de Comunicação Social.

"Vamos tentar melhorar as comunicações do governo', disse o presidente em sua live semanal em sua conta no Facebook.

"Temos pela frente a questão do 5G, que nós já sabemos, houve uma orientação minha de como proceder nessa questão. E nós, pode ter certeza, faremos o melhor negócio, levando em conta vários aspectos. Não apenas o econômico --às vezes o mais barato não quer dizer que seja o melhor e nem sempre o mais caro pode ser o melhor, também", afirmou.

"Nós vamos atender os requisitos da soberania nacional, da segurança das informações, da segurança de dados, e também a nossa política externa", acrescentou.

Há expectativa que a Huawei assuma papel fundamental na implementação da próxima geração de rede de alta velocidade na América Latina, apesar dos esforços dos Estados Unidos para conter o avanço da gigante chinesa.

A administração norte-americana já enviou recados alertando para possíveis impedimentos no fortalecimento da cooperação nas áreas de defesa e inteligência com o Brasil caso a empresa chinesa entre no mercado de 5G do país.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que afirma estar "monitorando atentamente" os efeitos da pandemia de coronavírus, já admitiu a possibilidade de atrasos no cronograma do leilão de 5G por conta das medidas de distanciamento social para conter a disseminação do novo coronavírus.

Mesmo antes da Covid-19, o aguardado leilão do espectro de 5G tinha sido adiado em relação à data inicialmente prevista de março de 2020, dada a necessidade de investigar melhor possíveis interferências com outros sinais.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.