Bradesco pagará R$ 95 mi ao BC por falhas na comunicação de operações suspeitas de lavagem de dinheiro

Termo de compromisso foi assinado por instituição financeira e autoridade monetária

Brasília

O Bradesco terá de pagar R$ 95 milhões ao Banco Central como punição por falhas na comunicação de operações suspeitas de lavagem de dinheiro ao Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

O valor foi firmado em termo de compromisso na sexta-feira (29). Do total, o banco arcará com R$ 92,2 milhões, e oito diretores pagarão R$ 350 mil cada.

De acordo com o documento publicado no site da autoridade monetária, o Bradesco se comprometeu a enviar ao BC um plano de aprimoramento de procedimentos de prevenção a lavagem de dinheiro e combate ao financiamento do terrorismo, que será aprovado pelo regulador.

A instituição tem 30 dias para enviar o plano de melhorias. Depois de aprovado, o banco tem o prazo de 12 meses para implementação.

O Bradesco também terá de contratar uma empresa de auditoria para elaborar relatório sobre o cumprimento das obrigações e dos prazos previstos no termo.

O termo de compromisso é uma espécie de acordo entre o BC e a instituição financeira.

Nele, o banco se compromete a corrigir irregularidades, indenizar prejuízos e pagar contribuição pecuniária —o equivalente a uma multa, só que estabelecido em comum acordo.

O documento tem validade de 19 meses. Em caso de descumprimento, o BC revogará o termo e adotará medidas administrativas e judiciais.

Procurado, o BC respondeu que não comenta caso específico e que todos os termos de compromisso são públicos e divulgados na página do BC.

O Bradesco afirmou, em nota, que o termo de compromisso é "uma oportunidade de avanço conjunto com o Banco Central do Brasil no aprimoramento contínuo dos procedimentos de prevenção à lavagem de dinheiro e no combate ao uso indevido do Sistema Financeiro Nacional".

"O Bradesco ressalta que possuí sistemas e políticas sólidas em linha com as melhores práticas de mercado", afirmou.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.