Itaú e XP batem de frente após campanha publicitária que ataca corretoras e assessores de investimento

Peça de marketing e reação falam em conflitos de interesses na oferta de investimentos

São Paulo

A nova campanha de marketing do Itaú Unibanco, na qual a instituição critica o modelo de corretoras e agentes autônomos, provocou reação por parte da XP Investimentos, instituição da qual o maior banco privado do país é sócio.

No filme que começou a ser veiculado nesta terça-feira (23) pelo Itaú Personnalité, o ator Marcos Veras aparece na tela em 2019, durante o período de euforia com a alta dos mercados financeiros, e em 2020, após a queda provocada pela pandemia.

Na quarta (24), o Itaú defendeu o anúncio e disse que corretora também é uma concorrente.

“A moda aqui em 2019 é ter conta em corretora. Assessor [financeiro] também tá na moda. Insiste o tempo todo, ‘investe nisso, investe naquilo, não tem risco’. Estou me sentido o rei de Wall Street”, afirma o ator.

O investidor de 2020 afirma: “Aqui em 2020, deu para ver que não tinha risco para ele [assessor financeiro], que ganhava comissão por tipo de investimento. Ainda bem que você deixou seu dinheiro no Personnalité. São especialistas isentos. Aprendeu?”

Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco - Reuters

Nesta quarta-feira (24), Guilherme Benchimol, CEO e Fundador da XP, publicou uma “resposta aos ataques do Itaú”, banco que comprou em 2017 49,9% da XP.

“Estamos há 20 anos lutando contra um sistema financeiro concentrado que nunca inovou e nunca se preocupou com o que realmente importa: o cliente! Tenho certeza que os bancos preferem o Brasil do passado, com juros altos e baixa concorrência, explorando ainda mais os empresários e os investidores individuais”, afirmou Benchimol.

“A nova campanha do Itaú ataca o comissionamento dos assessores na distribuição de produtos financeiros, como se ganhar dinheiro com o trabalho fosse errado. Sempre fomos transparentes nisso. O assessor é um empresário, um empreendedor que tem a sua própria empresa e somente sobrevive se a visão for de longo prazo, com um cliente realmente satisfeito e muita ética em todas as suas atitudes. Se ele falhar, não poderá mudar de emprego, mas, sim, fechará o seu negócio.”

Guilherme Benchimol, da XP Investimentos - Joel Silva/Folhapress

Benchimol questiona quem nunca recebeu uma oferta do seu banco com um cheque especial abusivo, um empréstimo com as mais altas taxas de juros do mundo, um investimento na caderneta de poupança ou título de capitalização desnecessário. Diz ainda ter conseguido fazer com que mais de 2 milhões de brasileiros invistam melhor hoje.

“A campanha do Itaú só reforça que estamos no caminho certo. Para o maior banco do país, com mais de 90 anos de tradição, ir a público e ofender uma profissão tão fundamental para o desenvolvimento financeiro dos brasileiros, é porque realmente percebeu que não consegue mais competir colocando o cliente em primeiro lugar. Tenho uma certeza: se tem algo que o banco não é, nem nunca foi, é ser feito para você”, disse o presidente da XP, em referência ao slogan do Itaú.

Após a repercussão, o Itaú informou nesta quarta que a campanha do Personnalité tem como objetivo ressaltar seus atributos positivos, como a plataforma aberta de produtos financeiros e o modelo de incentivos que tem como foco uma visão de longo prazo, além dos resultados e satisfação para o cliente.

"O Itaú Unibanco acredita que ética independe de modelo e há bons profissionais em todas as configurações, seja um agente autônomo ou um gerente de banco. O Itaú Unibanco está sempre aberto ao debate transparente e honesto, e não é diferente desta vez", disse a instituição financeira.

Em nota, a ABAAI (Associação Brasileira de Agentes Autônomos de Investimentos) afirmou repudiar a propaganda veiculada pelo Itaú “injuriando o trabalho de mais de 12.000 profissionais certificados e credenciados”.

A associação diz que defende a transparência nas informações aos seus investidores e respeita todas as atividades profissionais que se relacionam com eles, sejam estes assessores, consultores, planejadores ou especialistas do Itaú Personalité, “que não necessita ser pejorativo com nenhuma delas, para demonstrar seus valores e suas capacitações”.

“Ao longo da pandemia os agentes autônomos de investimentos tiveram comportamento exemplar no relacionamento com seus clientes, colhendo frutos do trabalho de educação financeira que realizam nos quatro cantos do país”, afirma a associação.

“Convidamos o Itaú Personalité a aderir nessa tendência e abrir as metas de seus profissionais, muitas vezes incompatíveis com os interesses de seus clientes.”

Também em nota, a Ancord (associação das corretoras) afirmou que o papel dos agentes autônomos de investimento é fundamental para o crescimento da base de investidores no mercado de capitais e um elo vital entre investidores e produtos e serviços disponíveis.

“Esse profissional tem se revelado de absoluta importância, sobretudo em épocas de grandes desafios, tal qual esta que atravessamos”, diz a associação. “O trabalho desses assessores na apresentação do mercado, com explicação das principais características dos produtos, contribui, de forma decisiva, para a sua educação e o seu conhecimento.”

A associação afirma ainda que, para o exercício da atividade, o agente autônomo deve ser aprovado em um rigoroso exame de certificação, vincular-se a uma instituição financeira e, por isso, é supervisionado por reguladores e autorreguladores do mercado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.