Petrobras aumenta preço da gasolina pela sexta vez consecutiva

Litro da gasolina acumula queda de 20% em 2020

Rio de Janeiro

A Petrobras aumentou em 5% o preço da gasolina em suas refinarias, ou R$ 0,07 o litro, a partir desta sexta-feira (19). É o sexto aumento seguido desde o começo do mês passado, após a recuperação das cotações internacionais do petróleo iniciarem processo de recuperação.

O reajuste no preço da gasolina levou o litro a ser vendido por R$ 1,53, em média, nas refinarias da estatal. Já o diesel chegou a R$ 1,63 o litro, uma alta de 8%, ou R$ 0,12 o litro. Em maio, o combustívei já havia aumentado em duas oportunidades.

​Ainda assim, os valores atuais são menores do que os vigentes no início do ano. No acumulado do ano, a redução do preço da gasolina é de 20,2%, enquanto no diesel é de 30,2%.

Petrobras aumenta preço da gasolina em suas refinarias pela sexta vez consecutiva
Petrobras aumenta preço da gasolina em suas refinarias pela sexta vez consecutiva - Sergio Moraes - 19.fev.2020/Reuters

Segundo a Petrobras, à exceção de 2020, com as fortes reduções praticadas, os preços médios de diesel têm ficado acima do valor atual desde agosto de 2017, e a gasolina desde fevereiro de 2019.

Segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), a sequência de aumentos chegou ao consumidor. Na semana passada, o litro da gasolina foi vendido pelos postos brasileiros a R$ 3,911, em média, um aumento de quase 2% em relação ao fim de maio.

Foi a terceira alta no preço cobrado pelos postos após 18 semanas. No fim de janeiro, o litro do combustível era vendido, em média no país, a R$ 4,594. O preço do diesel também subiu nas bombas na semana passada, para R$ 3,046 por litro, 1,22% a mais do que no fim de maio.

O repasse às bombas depende das políticas comerciais de distribuidores e revendedores. O preço da gasolina nas refinarias equivale a cerca de 25% do valor de venda do produto nas bombas. O resto são impostos e custos de margens de lucros.

Os cortes na gasolina derrubaram a inflação brasileira, que fechou abril com deflação de 0,31%, o menor valor desde agosto de 1998. O grupo Transportes, onde estão os combustíveis, caiu 2,66%, compensando parcialmente a alta dos preços dos alimentos.

Os reajustes acompanham a recuperação das cotações internacionais do petróleo, influenciada pelo relaxamento de restrições ao deslocamento de pessoas em países que controlaram a escalada da pandemia da Covid-19. A política de preços da Petrobras considera também a taxa de câmbio, custos para a importação dos produtos e margem de lucro.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.