Venda de veículos cresce em agosto, mas segue longe dos resultados pré-pandemia

183,4 mil licenciamentos do mês representaram alta de 5,1% em relação a julho

São Paulo

O mês de agosto confirmou a retomada do setor automotivo, de acordo com dados do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores). Os 183,4 mil licenciamentos representaram uma alta de 5,1% em relação a julho. O número inclui carros de passeio, comerciais leves, ônibus e caminhões.

Em relação a agosto de 2019, o último mês registrou queda de 24,5% nos emplacamentos. No acumulado de 2020, a retração é 35%.

A média diária de vendas ficou em 8.730 unidades, número ainda distante dos 11,2 mil emplacamentos por dia útil alcançados em fevereiro, quando casos de Covid-19 ainda não haviam sido diagnosticados no país.

O ranking de modelos mais comercializados será divulgado nesta quarta-feira (2) pela Fenabrave. Dados preliminares com base no Renavam mostram que o Chevrolet Onix voltou ao topo dos emplacamentos em agosto. A posição foi ocupada pelo Volkswagen T-Cross em julho, devido às vendas diretas para pessoas com necessidades especiais.

Por enquanto, os resultados alcançados no segundo semestre indicam que a queda nos emplacamentos deverá ficar abaixo dos 40% previstos pela Anfavea (associação das montadoras instaladas no Brasil). Entretanto, a entidade não deve se tornar mais otimista.

A capacidade ociosa nas fábricas segue acima de 60%, o que aumenta o risco ao emprego. Maiores empresas do setor no Brasil, General Motors e Volkswagen negociam programas de demissão voluntária, e outras fabricantes devem seguir o mesmo caminho.

Os dados da produção em agosto serão divulgados pela Anfavea nesta sexta (4).

As vendas de caminhões tiveram queda de 15,3% na comparação entre julho e agosto, mas o segmento é o que apresenta os melhores resultados graças aos modelos extrapesados, os mais usados no agronegócio. No acumulado do ano, a perda em relação aos oito primeiros meses de 2019 é de 14,9%.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.