Com rápido avanço, gripe aviária coloca indústria da UE em alerta

A doença foi detectada em países como França, Holanda, Alemanha, Reino Unido e Bélgica

Paris | Reuters

Uma forma altamente contagiosa e mortal da influenza aviária está se espalhando rapidamente pela Europa, colocando a indústria avícola em alerta, com lembranças de surtos anteriores que acarretaram o abate de dezenas de milhões de animais e perdas econômicas significativas.

A doença, comumente chamada de gripe aviária, foi detectada na França, Holanda, Alemanha, Reino Unido, Bélgica, Dinamarca, Irlanda, Suécia e, pela primeira vez nesta semana, Croácia, Eslovênia e Polônia, após atingir gravemente Rússia, Cazaquistão e Israel.

A grande maioria dos casos ocorre em aves selvagens migratórias, mas surtos também foram reportados em granjas, resultando na morte ou abate de pelo menos 1,6 milhão de frangos e patos na região até o momento.

“O risco de transmissão em granjas e de mais casos entre aves selvagens é maior do que nos últimos dois anos, por causa da aparição maciça de vários vírus da gripe aviária na Europa”, disse uma porta-voz do Instituto Friedrich-Loeffler, agência federal de pesquisas de doenças animais da Alemanha.

A principal cepa encontrada neste ano na Europa é a H5N8, que dizimou criações em 2016/17, quando a região registrou seu maior surto em granjas e animais selvagens, mas também foram relatados casos de H5N5 e H5N1.

Funcionários do Ministério da Agricultura da Croácia vestem roupas especiais para inspecionar lago no vilarejo de Zdenci em que foram encontradas aves contaminadas com a gripe aviária. - 25.11.10 - France Presse- AFP

Embora o risco para humanos seja baixo, a Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA, na sigla em inglês) disse nesta semana que a evolução do vírus deve ser monitorada de perto. Uma cepa da H5N1 é conhecida por se espalhar para humanos.

Membros da indústria avícola da UE disseram estar muito preocupados com o surto mais recente, mas que agora têm experiência para lidar com essas situações.

“Trabalhamos tanto para melhorar a segurança, treinar criadores e melhorar a rastreabilidade que esperamos que, se houver casos, poderemos contê-los”, disse Anne Richard, chefe da associação francesa ANVOL.

Mas surtos de gripe aviária, como de outras doenças animais, frequentemente levam países importadores a impor restrições comerciais.

“Já está difícil exportar com a Covid, isso pioraria ainda mais”, disse a repórters Dennis Lambert, presidente-executivo da LDC, maior grupo avícola da França, na quarta-feira.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.