PIB do Brasil em 2018 é revisado de alta de 1,3% para 1,8%

Dado definitivo é divulgado cerca de dois anos após primeira publicação

São Paulo

O IBGE divulgou nesta sexta-feira (6) o dado definitivo sobre o crescimento da economia brasileira no último ano do governo Michel Temer (2016-2018). O PIB (Produto Interno Bruto) cresceu 1,8% em 2018 e atingiu R$ 7 trilhões. O dado divulgado anteriormente era uma alta de 1,3%.

A revisão do PIB daquele ano deverá levar também a revisões dos números posteriores, com alterações que serão divulgadas no início de dezembro junto com o resultado do PIB do terceiro trimestre de 2020.

O instituto ressalta que, mesmo com as últimas revisões, o PIB não recuperou os patamares anteriores à recessão de 2014-2016.

O PIB per capita, por exemplo, chegou a R$ 33.593,82, com alta de 1,0% em relação ao ano anterior. Com isso, estava próximo, em termos reais, ao observado em 2010.

Segundo o IBGE, a revisão decorreu, principalmente, da incorporação de novos dados da Pesquisa Anual de Serviços e do Imposto de Renda para o conjunto das atividades de serviços, que respondem por cerca de dois terços da economia brasileira. Também contribuíram as revisões para cima do investimento, do consumo do governo e no comércio exterior.

O setor de serviços avançou 2,1%, acima do 1,5% da última divulgação. A agropecuária teve crescimento de 1,3% (abaixo do 1,4% anteriormente divulgado). A indústria cresceu 0,7% (0,5% no dado anterior).

Para 2018, o consumo das famílias foi revisto de 2,1% para 2%, melhor resultado desde 2012 (3%). O investimento avançou 5% (3,9% anteriormente divulgado), primeira alta depois de quatro quedas seguidas. Houve também melhora nos dados tanto das exportações como das importações.

A despesa de consumo final do governo subiu 0,8% em 2018, o dobro do divulgado anteriormente.

O investimento dos governos reverteu a tendência de queda dos três anos anteriores e avançou 9,1%. “Este movimento foi influenciado especialmente pelo crescimento dos investimentos na esfera municipal”, diz o IBGE.

No final do ano passado, o IBGE havia divulgado o dado definitivo do PIB de 2017, que cresceu 1,3%, acima do 1,1% registrado na divulgação preliminar.

Aquele foi o primeiro ano de expansão após as retrações verificadas em 2015 (-3,5%) e 2016 (-3,3%). Desde então, o PIB tem mantido o mesmo ritmo de fraco crescimento e ainda está abaixo do patamar verificado antes da recessão iniciada em meados de 2014.

Para 2020, a expectativa é de queda do PIB por causa da pandemia. O dado de 2019, primeiro ano do governo Jair Bolsonaro, mostrou crescimento de 1,1%.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.