Descrição de chapéu Startups & Fintechs

Startups oferecem soluções para a indústria na pandemia

Relatório mapeou 50 empresas nas áreas de prevenção e automação de processos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Em meio à pandemia algumas startups têm surgido com soluções tecnológicas para permitir o trabalho em indústrias já consolidadas, mas que são afetadas pelo isolamento. É o que aponta um levantamento feito pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) em parceria com a Sosa, empresa global de inovação aberta.

O documento tem o objetivo de incentivar a adoção da inovação aberta nas empresas brasileiras —ou seja, o estabelecimento de parcerias para o desenvolvimento de tecnologias que possam resolver os problemas dos grandes negócios.

Entre as tecnologias identificadas pelo novo relatório, estão sistemas que podem detectar sintomas de Covid-19 entre funcionários, que fomentam o uso correto de EPIs (equipamentos de proteção individual) ou que facilitam a produção de forma remota. O documento ainda elenca 50 startups que podem fornecer esses tipos de serviço.

Segundo o texto, as startups citadas foram selecionadas com base na sua atividade de financiamento, na qualidade dos seus investidores e na sua fase de captação.

Um exemplo de startup focada em tecnologia de combate ao coronavírus no ambiente de trabalho é a novaiorquina RapidMask2Go, que oferece máquinas de vendas de EPIs para serem instaladas em escritórios. Outra é a insraelense Soapy, que produz microestações de higiene para lavagem das mãos.

Na área de alerta precoce na detecção de sintomas da doença, a pesquisa cita, entre outras, a Soter Technologies, que desenvolve sensores capazes de detectar funcionários ou visitantes doentes quando fazem entregas, marcam o ponto ou se deslocam de uma área para outra. Isso é feito a partir da medição de sinais vitais, como temperatura, nível de oxigênio no sangue, frequência cardíaca e respiração.

Outras startups buscadas utilizam inteligência artificial para ajudar o setor industrial a aplicar medidas de distanciamento social, gerir remotamente a manutenção e a limpeza de edifícios e garantir a produtividade.

É o caso da Bright Machines, que oferece robôs configuráveis com software inteligente para automatizar operações de montagem e inspeção. Durante a pandemia, a empresa está oferece automação sem custo por até um ano para a fabricação de dispositivos essenciais para tratamentos médicos.

Segundo Gianna Sagazio, diretora de inovação da CNI, o isolamento acelerou a necessidade de adoção dessas tecnologias, seja para viabilizar o trabalho remoto, ou para garantir a segurança e a saúde de funcionários. Mas o Brasil ainda pode avançar nessas áreas.

"Há uma tendência cada vez maior de investimento de capital de risco por parte de empresas e com participação de empresas", diz ela. "Entendemos que esse é o principal vetor de desenvolvimento dos países, mas o Brasil ainda precisa avançar muito."

Uma pesquisa feita anteriormente também pela CNI com a Sosa constatou que 78% das indústrias no país não praticam inovação e 88% nunca trabalharam com startups. Por outro lado, 67% das empresas consultadas afirmaram ter interesse em participar de um programa de inovação aberta.

A confederação cita como exemplo a Natura, que tem 90% de seus projetos de tecnologia realizados em parceria com empresas externas, incluindo para o desenvolvimento de novos ingredientes, materiais de embalagem e processos mais verdes para a produção de cosméticos.

"Inovação aberta é a forma para que empresas tenham grandes desafios tecnológicos resolvidos muito rapidamente", explica Sagazio. "As empresas têm a oportunidade de trabalhar em colaboração com startups para superar desafios e inovar em um ritmo mais acelerado, especialmente em setores mais afetados pela Covid-19."

Na outra ponta, esse tipo de parceria dá às startups uma oportunidade de testarem seus modelos e crescerem seus negócios, além de adquirir credibilidade com clientes. Segundo Sagazio, a parceria da CNI com a Sosa tem por objetivo justamente facilitar esses contatos. A confederação deve abrir, nos próximos meses, escritórios em Nova York e Tel Aviv e pretende promover o intercâmbio de startups brasileiras para serem aceleradas no exterior.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.