Descrição de chapéu Financial Times

Carlos Brito vai deixar o comando da AB InBev em 1° julho

Maior fabricante mundial de cerveja aponta Michel Doukeris, comandante de suas operações na América do Norte, como sucessor

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Judith Evans
Financial Times

Carlos Brito, que transformou uma fabricante regional de cerveja brasileira na maior companhia de cerveja do planeta, a Anheuser-Busch InBev, vai deixar a presidência executiva do grupo depois de 15 anos.

A AB InBev anunciou que Brito cederia o posto a Michel Doukeris, presidente das operações da companhia na América do Norte, em 1º de julho, e deixaria a empresa depois de mais de três décadas.

A saída do brasileiro representa o final de uma era no setor de cerveja, depois que Jean-François van Boxmeer deixou a presidência executiva da Heineken em 2020. Os dois homens ajudaram a propelir a consolidação do setor, adquirindo empresas regionais e criando gigantes mundiais no ramo da cerveja.

Também coroará um período de mudança de liderança na AB InBev, depois da saída do vice-presidente de finanças do grupo, Felipe Dutra, em abril de 2020, e de seu presidente do conselho, Olivier Goudet, em 2019. Dutra foi substituído por Fernando Tennenbaum, vice-presidente de finanças da unidade brasileira do grupo, e Martin Barrington, antigo presidente-executivo do grupo de tabaco Altria, assumiu a presidência do conselho.

Carlos Brito (à esquerda) deixa o comando da InBev para Michel Doukeris - InBev/Divulgação

“Brito foi o arquiteto que liderou e transformou a AB InBev na maior companhia de cerveja do planeta e em uma empresa líder no ramo de bens de consumo embalados, ao integrar magistralmente os muitos negócios que formam a AB InBev hoje”, disse Barrington.

A fabricante das cervejas Budweiser, Stella Artois e Corona estudou seriamente a contratação de candidatos externos para o posto, noticiou o Financial Times no ano passado, mas optou por Doukeris, outro brasileiro que começou no grupo 25 anos atrás, e subiu na hierarquia de vendas antes de comandar as operações da companhia na Ásia e na América do Norte.

A AB InBev anunciou que seu conselho elegeu Doukeris por unanimidade para substituir Brito, que completa 61 anos no sábado. As ações da companhia subiram em 4,6%, para 61,38 euros, em transações na manhã de quinta-feira.

A saída de Brito surge em um momento no qual a companhia está enfrentando o impacto da pandemia, somado a uma carga de dívidas que chegava aos US$ 87,2 bilhões no final de 2020, incorrida por conta de sua aquisição da SABMiller em 2016. A empresa reduziu seu dividendo à metade em abril do ano passado.

A AB InBev anunciou na quinta-feira que sua receita havia subido em 17,2% no primeiro trimestre, ante o período em 2020, acima das expectativas, para US$ 12,3 bilhões, com a ajuda de uma alta de 13,3% no volume de cerveja vendido, agora que as ocasiões sociais e o consumo de bebidas começam a se recuperar das restrições impostas por conta da pandemia, especialmente na China. A empresa gerou US$ 1,1 bilhão em lucros subjacentes.

“O conselho e eu conversamos e achamos que era a hora certa para entregar o bastão a Michel, que representa a nova geração de líderes”, disse Brito.

“Vou fazer uma pausa, me reposicionar, buscar oportunidades e decidir qual será meu próximo passo... O grupo terminou o ano passado com grande ímpeto”.

A carreira de Brito no mercado de cerveja começou em 1989, quando ele começou a trabalhar para a Brahma, uma fábrica de cerveja brasileira, sob o comando de seu mentor, Jorge Paulo Lemann, fundador do grupo de capital privado 3G, que pagou pela educação de Brito na Universidade Stanford.

A Brahma iniciou uma expansão baseada em aquisições, transformando-se na Ambev, uma produtora de cervejas de alcance regional. Brito assumiu a presidência executiva da companhia em 2004 e naquele ano mesmo a empresa se fundiu com a Interbrew, da Bélgica, fabricante da cerveja Stella Artois, criando a InBev. Quatro anos mais tarde, a companhia executou uma tomada hostil de controle acionário do grupo americano Anheuser-Busch e se tornou uma fabricante mundial de cerveja.

Brito e sua companhia se tornaram conhecidos por aquisições incansáveis e pelas medidas de corte de custo, mas nos últimos anos a empresa tem vendido unidades para ajudar a reduzir suas dívidas, o que inclui a venda de suas operações australianas à Asahi por US$ 11 bilhões, no ano passado.

Edward Mundy, analista do banco Jefferies, disse que “[Doukeris] tem foco forte nas marcas premium, tendo implementado a divisão de cervejas de alto preço do grupo na China, e também nas operações digitais, com a primeira plataforma de comércio eletrônico direto ao consumidor da companhia. A clareza quanto à sucessão no comando deve ser bem recebida”.

Tradução de Paulo Migliacci

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.