Descrição de chapéu Financial Times

Tesla atinge US$ 1 trilhão em valor de mercado

Empresa é a primeira montadora a atingir esse marco, alcançado após encomenda histórica da Hertz

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Patrick McGee Mamta Badkar
São Francisco (Califórnia) e Nova York | Financial Times

A Tesla se tornou a primeira montadora de automóveis a atingir um valor de mercado de US$ 1 trilhão depois que a locadora de automóveis Hertz fez um pedido de 100 mil sedãs Tesla Model 3 a fim de eletrificar sua frota.

As ações da Tesla registraram alta de 9,84% nas operações do final da manhã desta segunda-feira (25), e chegaram à cotação de US$ 998,74, o que faz com que sua alta total este ano supere os 40%, levando seu valor de mercado a ultrapassar o US$ 1 trilhão.

Logo da Tesla em concessionária em Londres, no Reino Unido - Matthew Child - 14.mai.2021/Reuters

"Esse pedido da Hertz é uma grande vitória para a Tesla e aponta para onde a demanda está caminhando, na transformação para veículos elétricos que está atingindo o setor automobilístico em todo o planeta", disse Dan Ives, analista do grupo de investimento Wedbush.

A Tesla superou a Toyota em julho de 2020 e se transformou na maior montadora de automóveis do planeta pelo critério de valor de mercado. De lá para cá, seu valor cresceu em 500% e a empresa agora vale mais do que todas as demais montadoras de automóveis de capital aberto combinadas. Ela se tornou a sexta companhia americana a atingir o marco de um valor de mercado de US$ 1 trilhão ou mais, depois da Apple, Microsoft, Alphabet, Amazon e Facebook.

A companhia vem superando as dúvidas que existiam a seu respeito e, depois de ser alvo de zombaria durante anos por não conseguir registrar dois trimestres consecutivos de lucro, ela agora está no azul há nove trimestres.

Seu mais recente relatório mostra lucro líquido de US$ 1,62 bilhão, 380% acima do resultado do período no ano passado, o que representa um recorde de alta, e sua produção de veículos subiu em 72% em um período no qual outras empresas se viram paralisadas por uma escassez mundial de chips.

Ainda que a Tesla tenha produzido apenas meio milhão de carros no ano passado, Elon Musk, seu presidente-executivo, anunciou que a companhia crescerá em 50% ao ano pelo futuro previsível, com a expansão de sua produção na China, a entrada em operação de sua fábrica na Alemanha e a inauguração de uma fábrica no Texas que produzirá o Cybertruck, o utilitário esportivo Model Y e, no futuro, um caminhão-reboque.

Musk disse que antecipa que sua empresa produzirá 20 milhões de carros ao ano em 2030 —cerca do dobro do volume de produção atual de líderes de mercado como a Volkswagen e a Toyota.

A Tesla já está vendendo um upgrade de software para "pilotagem completamente automática" por US$ 10 mil à vista ou em prestações mensais de US$ 199. Esses valores, que representam entrada de dinheiro quase sem despesas, são um novo modelo de lucro para as montadoras de automóveis, que tipicamente vendem seus modelos de massa com margens de lucro inferiores a 10%, e os modelos de luxo com margens de lucro pouco superiores a 10%.

O pedido da Hertz, em valor de US$ 42 bilhões para a Tesla, levou o valor de mercado da empresa a subir em US$ 80 bilhões, de acordo com Neil Campling, pesquisador da administradora de ativos Mirabaud. "Isso é insano", ele disse.

"Wall Street com certeza acredita em todas as projeções da Tesla, e não está fazendo perguntas difíceis sobre a escassez de chips", ele acrescentou. "Mesmo a maior companhia do mundo, a Apple, vem enfrentando problemas com a escassez de chips, mas de alguma maneira isso não afeta a Tesla".

Analistas da corretora Bernstein afirmaram que o valor de mercado da Tesla implica grande volume de produção e lucratividade líder no setor, uma combinação "que não tem precedentes históricos". A projeção de preço da Bernstein para as ações da Tesla daqui a 12 meses é de US$ 300, o que implicaria que ela perca 70% de seu valor atual de mercado ao longo do período.

A Bernstein afirmou que "não está claro que a Tesla", que no momento só vende quatro modelos, "terá uma linha de produtos ampla o suficiente para gerar crescimento de 50% anuais", nos próximos dois anos. Mas a corretora admite que o esportivo Model 3 e o utilitário esportivo Model Y estão entre os carros de luxo mais vendidos no planeta, com produção anual de 500 mil e 400 mil unidades, respectivamente.

Tradução de Paulo Migliacci

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.