Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/07/2010 - 14h26

Delegado descreve como Eliza morreu; ouça

Publicidade

DE SÃO PAULO

Em entrevista coletiva nesta manhã, o delegado Edson Moreira afirmou que as investigações e depoimentos colhidos apontam o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Neném, como responsável pela execução, morte e desaparecimento de Eliza Samudio, 25, ex-amante do goleiro Bruno.

Exame em cães deve trazer poucas respostas sobre morte de Eliza, diz veterinário
Tio de adolescente diz que não se arrepende de ter revelado a trama
Ouça justificativa de advogado do Flamengo para deixar defesa do goleiro Bruno

De acordo com depoimento prestado por Sérgio Rosa Sales Camelo (primo do jogador), Eliza foi morta na casa do ex-policial, na cidade de Vespasiano (MG). "Ele pegou as mãos da Eliza e cheirou. Depois, as amarrou para trás. Sentou, fez a gravata e estrangulou a Eliza", relatou o delegado.

Edson Moreira

Como base em depoimentos, o delegado disse ainda que o goleiro ficou com Eliza o tempo todo e que demonstrava tranquilidade. "Bruno estava lá na casa e via a mulher toda estourada. Acompanhou, segundo testemunhas, Eliza para seu sacrifício, para sua morte", declarou Moreira.

Para o delegado, o crime é chocante. "Um ídolo como o Bruno, de um grande time, é um monstro pelo que fez com essa moça. Foi um crime foi planejado e friamente executado. Podemos concluir o seguinte: a Eliza está morta a materialidade está, indiretamente, comprovada", diz Moreira.

Ontem, policiais realizaram buscas na residência em que estaria o corpo de Eliza, mas nada foi encontrado. O delegado Wagner Pinto esteve no local com o menor que teria dado a coronhada na cabeça da moça. O adolescente descreveu com riqueza de detalhes o interior da casa, antes da entrada das equipes no imóvel.

"Ele mencionou que havia vários cães da raça rottweiler no local e que o executor teria jogado parte do corpo de Eliza para os cachorros. Quando chegamos na casa, o menor apontou o local e ficou abalado", diz.

Wagner Pinto buscas

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página