Rússia é suspeita de provocar doença misteriosa em embaixadas americanas, diz NBC

Investigação é conduzida por FBI, CIA e outras agências, mas evidências não são conclusivas

Washington

A Rússia é o principal suspeito na investigação conduzida pelos EUA sobre uma misteriosa doença que atingiu funcionários nas embaixadas americanas em Cuba e na China, afirmou a rede NBC nesta terça-feira (11).

Evidências obtidas em comunicações interceptadas apontaram para o envolvimento de Moscou, em uma investigação envolvendo o FBI, a CIA e outras agências, informou o canal, citando fontes anônimas. 

As evidências, no entanto, não são conclusivas o suficiente para que os EUA culpem Moscou publicamente, disse ainda a rede. 

O Consulado-Geral dos EUA em Guangzhou, na China
O Consulado-Geral dos EUA em Guangzhou, na China - Lam Yik Fei - 6.jun.18/The New York Times

Em julho, autoridades americanas afirmaram que ainda investigavam os problemas de saúde constatados na embaixada em Cuba, que começaram em 2016 e afetaram 26 americanos.

A porta-voz do Departamento de Estado Heather Nauert afirmou que "não detectamos quem ou o quê é responsável pelos ataques". 

Sintomas incluem perda de audição, zumbido nos ouvidos, vertigem, dores de cabeça e fadiga, um padrão consistente com "lesão traumática cerebral leve", segundo fontes do Departamento de Estado. 

Em junho, o departamento trouxe para os EUA um grupo de diplomatas baseados em Guangzhou, na China, devido à preocupação de que pudessem estar sofrendo um problema semelhante a lesões cerebrais.

(Meridith Kohut/The New York Times)
A Embaixada dos EUA em Havana (Cuba) - Meridith Kohut - 20.jul.15/The New York Times

Os EUA creem que armas eletromagnéticas sofisticadas podem ter sido usadas sobre os funcionários, possivelmente em conjunto com outras tecnologias, informou a NBC. 

O Pentágono está tentando reconstruir a arma, ou as armas, por meio de tecnologia reversa, incluindo testes em equipamentos e animais. 

Parte do trabalho está sendo conduzida pelo programa de pesquisa de energia na Base Aérea de Kirtland, no Novo México, onde o Exército possui lasers gigantes e laboratórios para testar armas eletromagnéticas, incluindo micro-ondas. 

Reuters
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.