Falha em sistema fez piloto da Lion Air perder controle do avião que caiu no mar de Java

Pilotos tentaram reerguer avião mais de 20 vezes; os 189 a bordo morreram

São Paulo

Os dados recuperados da caixa-preta do Boeing 737 MAX da Lion que caiu no mês passado no mar de Java mostram que os pilotos tentaram recuperar o controle da aeronave durante todo o trajeto. Uma falha fez com que um sistema automático recebesse leituras erradas dos sensores e jogasse repetidamente a ponta do avião para baixo. Todas as 189 pessoas a bordo morreram.

A informação faz parte de um relatório preliminar dos investigadores indonésios a ser divulgado nesta quarta-feira (28) e obtida com antecedência pelo jornal The New York Times.

Segundo o jornal, os pilotos passaram todos os 11 minutos do voo tentando retomar o controle da aeronave. Eles reergueram à força o avião mais de 20 vezes, mas o erro no sistema fez com que a aeronave continuasse a inclinar para baixo, finalmente caindo no mar de Java a uma velocidade de 720 km/h.

O relatório confirma a principal hipótese dos investigadores para o acidente de que o sistema automático instalado pela Boeing nos novos 737 para evitar que a aeronave inclinasse demais para cima recebeu dados incorretos dos sensores na fuselagem e tentou compensar forçando a aeronave para baixo.

Não se sabe ainda se as informações incorretas foram um problema do próprio sensor ou se a falha foi do computador que processa os dados recolhidos, ainda segundo o New York Times.

Horas antes, o avião foi usado em um voo entre Bali e Jacarta no qual um desses sensores já havia transmitido informações de ângulo e velocidade erradas, segundo os investigadores. A diferença de ângulos entre o sensor correto e o com falhas foi de 20 graus —a mesma registrada no voo 610 que caiu no mar de Java.  

À época do acidente, pilotos reclamaram da pouca informação que receberam da Boeing sobre o novo sistema, conhecido como MCAS, sigla em inglês para sistema de aumento de características de manobra. A companhia disse que todas as possíveis reações em casos de erro do sistema já estavam nos manuais de voo. Procurada pelo New York Times, a Boeing afirmou nesta terça-feira (27) que não comentaria uma investigação em andamento.

O voo saiu do aeroporto de Jacarta rumo a Pangkal Pinang, capital da região de Bangka-Belitung, às 6h20 do dia 29 de outubro (horário local, 20h20 do dia 28 em Brasília). Logo após a decolagem, o piloto da aeronave pediu para retornar à base. Pouco depois, o contato foi perdido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.