Descrição de chapéu The Washington Post

Idade é fluida como gênero, diz holandês de 69 anos que tenta mudança para 49

Emile Ratelband entrou na Justiça para mudar certidão e ter mais chances na profissão e no Tinder

Isaac Stanley-Becker

Na batalha quixotesca contra o envelhecimento, algumas pessoas usam cremes para a pele e aulas de "spinning".

Mas não Emile Ratelband, 69, que se sente na casa dos 40. O aposentado holandês está pedindo ao tribunal de sua cidade natal, Arnhem, a sudeste de Amsterdã, que mude sua certidão de nascimento para que diga que ele veio à luz em 11 de março de 1969, e não em 11 de março de 1949. Os juízes ouviram o caso na segunda-feira (5) e prometeram dar um veredito nas próximas semanas. 

Emile Ratelband, 69, quer  mudar sua idade para 49 anos
Emile Ratelband, 69, quer mudar sua idade para 49 anos - Roland Heitink / ANP / AFP

Ratelband vê seu pedido como nada diferente de um pedido para alterar o nome ou o gênero que lhe atribuíram ao nascer —e não se importa que sua comparação possa ofender as pessoas transgênero, cujas necessidades médicas foram reconhecidas pela Associação Americana de Medicina. Trata-se de livre arbítrio, afirma ele. 

"Porque hoje em dia na Europa e nos EUA somos pessoas livres", disse ele em uma entrevista ao The Washington Post. "Podemos tomar a decisão se quisermos mudar de nome, ou se quisermos mudar de gênero. Então eu quero mudar minha idade. Minha sensação sobre meu corpo e minha mente é que tenho por volta de 40 ou 45."

Estar nos 40 tornaria sua vida muito melhor, explicou ele.

Por um lado, aumentaria suas perspectivas de namoro. "No Tinder, se você tem 69 anos está ultrapassado", raciocinou Ratelband, que tem sete filhos e hoje está sem parceira. Seus amigos lhe disseram para modificar a idade nos aplicativos de paquera. "Mas eu não quero mentir", explicou ele. "Se você mente, tem de lembrar tudo o que disse."

Isso também o ajudaria a conseguir mais projetos profissionais. Ele é treinador, já foi padeiro e agitador político e disse que clientes potenciais lhe perguntam se sabe falar "a língua dos jovens" quando conta a sua idade. Ele garante que é bem versado nos hábitos da juventude. Mas eles desconfiam, dizendo-lhe que suas outras opções são "jovens no fulgor da vida". Ele afirma que é mais experiente, sábio e confiável, mas está começando a pensar que esses atributos talvez não sejam suficientes.

Ratelband quer ser jovem de novo, e tem capacidade física para isso, segundo disse. 

Seus ossos cresceram aproximadamente 0,5 nanomilímetro nos últimos dois anos, afirmou. Tem baixa pressão sanguínea, suas juntas funcionam bem, sua visão é clara, a saúde mental está em plena forma, relatou. "Bem, tudo, eu acho", disse ele. "Eu verifico tudo a cada dois anos."

Isso foi o que ele disse às autoridades na prefeitura, aonde foi primeiro pedir a mudança. 

"Você está louco?", indagaram, rejeitando seu pedido. Não foi a primeira rusga com as autoridades de lá. Muitos anos atrás, elas se recusaram a deixá-lo chamar seus filhos gêmeos de Rolls e Royce, em homenagem à marca de carros. Ele continua chamando-os assim, mas seus nomes legais são France e Minou.

Desta vez, Ratelband não se deixou convencer e disse a seu advogado que quer levar o caso à Justiça.

Adotando o manual usado por pessoas transgênero que movem ações para modificar suas certidões de nascimento, o que muitas vezes exige submeter-se a avaliação psiquiátrica, Ratelband concordou em procurar profissionais para garantir que não é "vítima da síndrome de Peter Pan", como ele diz. Ele convenceu especialistas de que não está se iludindo e que compreende as consequências de seus atos.

A princípio, disse ele, os juízes "riram como menininhas".

Mas depois que ele fez um discurso inspirado sobre como a sociedade moderna se libertou dos falsos deuses do dinheiro, governo e religião —"hoje somos pessoas livres", ele lhes teria dito — ficaram mais receptivos, disse Ratelband.

O desejo dele de se refazer é claramente americano, segundo disse, e vem de seu treinamento com Tony Robbins, o guru motivacional e mestre da autoajuda. Ele viveu e viajou com Robbins durante cerca de seis meses no final dos anos 1980, segundo disse, e passou a acreditar que "você tem de realizar seus sonhos a partir da visualização".

"Isso é pensamento americano", disse. "Por que não posso mudar minha idade se eu quiser? Você tem de se prolongar. Se você acha que pode saltar um metro, agora quero saltar 20. Se você ganha 100 por mês, agora quero ganhar 120 mil."

Ele traçou uma comparação com as forças que elevaram o presidente Donald Trump, dos EUA, afirmando que as pessoas não querem que lhes digam como devem viver ou no que acreditar, e portanto apreciam que o presidente se livrou dos padrões de decoro que governavam presidentes anteriores. 

"Ele é apenas ele mesmo", disse Ratelband. "Trump é o primeiro que é honesto. Ele mostra sua emoção no Twitter, dizendo a todos: 'Calem a boca'. É um novo tipo de pessoa."

The Washington Post

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.