Girafa de Malibu passa bem depois de incêndios e é alimentada por turistas

Animal vive em rancho na Califórnia que promove passeios com degustação de vinhos e safari

Malibu (EUA)

Dakota Semler se lembra bem do dia em que Stanley chegou a seu rancho. O animal de quatro metros saiu andando de costas de dentro de um trailer gigante e logo girou o pescoção para conhecer sua nova casa: as montanhas ensolaradas de Malibu, no sul da Califórnia.

O empresário Dakota Semler, 26, co-fundador da Thor Trucks, posa para foto com a girafa Stanley
O empresário Dakota Semler, 26, co-fundador da Thor Trucks, posa para foto com a girafa Stanley - Apu Gomes/Folhapress


"Foi uma surpresa do meu pai. Me apaixonei de cara", lembra Dakota, sobre a girafa de oito anos que veio se juntar às zebras, alpacas e búfalos-d'água que já moravam na propriedade de 400 hectares da família, a 30 minutos de Los Angeles.

Em novembro de 2018, Stanley foi um dos protagonistas dos incêndios que tomaram conta de Malibu, numa foto que circulou pela internet na qual ela aparece à frente de um céu esfumaçado e vermelho de fogo. 

Celebridades e a ONG Peta criticaram a família e tentaram fazer uma campanha para salvá-lo, mas Dakota e seu time já haviam acionado seu plano de resgate.

"Stanley está vivo e bem. Ainda estamos procurando por uma ovelha, mas o resto de nossos animais está em boas mãos", escreveu seu dono. 

Aos 26 anos, Dakota cresceu no Saddlerock Ranch com oito irmãos. Brincavam entre os vinhedos e com os animais exóticos de estimação, que hoje integram um passeio que ele mesmo criou, o Malibu Wine Safari, uma mistura de degustação de vinhos com safari. 

Num veículo modificado com cadeiras externas, os turistas visitam camelos e bisões em seus celeiros, dão comida a Stanley e experimentam as produções locais de chardonnays e merlots. 

Parte dos vinhedos foi destruída pelos incêndios, mas o passeio foi retomado semanas depois. Stanley já retornou às mídias sociais, agora em selfies com turistas. 

"Estamos no ponto mais alto entre o vale e o mar, numa área aonde a brisa marinha não chega. Temos dias bem quentes aqui, e isso faz a uva desenvolver altos níveis de açúcar e álcool", diz Dakota sobre seus vinhos. "Nosso solo é bem seco, ajuda a criar sabores complexos."


A ideia para o Wine Safari veio após uma viagem da família à África para ver leões e elefantes. Cinco anos atrás, Dakota começou a abordar os turistas que paravam no rancho para fazer degustação e perguntar se eles queriam conhecer seus animais. 

O negócio decolou rapidamente e agora é a maior fonte de renda na propriedade, que também organiza casamentos e funciona como celeiro de cavalos. "A gente adora compartilhar o rancho e também preservá-lo. Não queremos que vire uma Disneylândia", conta. 

O espírito empreendedor sempre norteou a família Semler, cujo patriarca fez fortuna vendendo rádios e veículos militares a exércitos e polícias mundo afora, incluindo para o Brasil. Atualmente, os negócios variam da indústria hoteleira e imobiliária à farmacêutica. 

O pai chegou a Malibu justamente após incêndios em 1978, quando comprou parte do terreno e transformou a terra queimada numa plantação com 15 mil árvores de abacate. No início dos anos 1990, uma geada destruiu, numa só noite, 500 toneladas da fruta. Foi quando decidiu apostar nos vinhedos.

Apesar da fortuna, todo mundo trabalhava na colheita das uvas, mesmo Dakota aos sete anos. "Desde os 11 anos eu queria ter um negócio meu. Comecei vendendo barris de vinho usados. Comprava por US$ 2 e revendia para as lojas de decoração por US$ 75", lembra, rindo.

Dakota estudou negócios e arranha algum português que aprendeu quando fez intercâmbio no Rio de Janeiro por seis meses. Não tomou muitos vinhos locais e se jogou nas caipirinhas: "Era pão-duro. Tomava muita cachaça 51", conta. 

De volta aos EUA, sonhou além das colinas de Malibu. Há dois anos, usa um galpão em Los Angeles como sede de sua nova firma, a Thor Trucks, que aposta no futuro dos caminhões leves elétricos. Antes mesmo do bilionário Elon Musk, da Tesla, exibir seu caminhão em 2017, Dakota já tinha um protótipo rodando pela cidade. 

Tesla e Thor esperam entrar em produção em 2019. ET, o veículo da Thor para cargas de até 40 toneladas, deve custar entre US$ 150 mil e US$ 250 mil.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.