Descrição de chapéu Venezuela

Pela primeira vez, general venezuelano reconhece Guaidó como presidente

Francisco Yanez, da Aviação, postou vídeo dizendo desconhecer autoridade de Maduro

Clóvis Rossi
São Paulo

Francisco Estéban Yánez Rodríguez transformou-se neste sábado (2) no primeiro oficial de alta patente a reconhecer Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, desconhecendo, em consequência, o mandato de Nicolás Maduro.

Yánez Rodríguez é general-de-divisão e diretor de Planificação Estratégica do Alto Comando da Aviação (equivalente a Força Aérea).

Sua manifestação acrescenta um nó mais —talvez o mais importante— no laço que a oposição e parte da comunidade internacional está tentando colocar no pescoço de Maduro.

general francisco yanez
General Francisco Yanez reconhece Guaidó como presidente, em vídeo publicado no Twitter - Reprodução/Twitter

O general usou as redes sociais para difundir vídeo em que afirma: “Hoje, com orgulho patriótico e democrático lhes informo que desconheço a autoridade ditatorial do senhor Nicolás Maduro e reconheço o deputado Juan Guaidó como o presidente encarregado [interino] da República Bolivariana de Venezuela, pelo que dignamente me ponho às suas ordens”.

Yánez Rodríguez disse ainda que 90% das Forças Armadas não apoiam Maduro e que, em consequência, a transição à democracia é iminente. Tão iminente, acha o general, que diz ter informações de seus companheiros de arma de que Maduro tem todos os dias dois aviões prontos para partir.

Ele fez um apelo a seus companheiros militares para que não reprimam mais as manifestações populares contra o ditador.

Coincidência ou não, unidades da Polícia Nacional Bolivariana do Estado de Lara se retiraram das ruas para abrir passagem para os manifestantes convocados pela oposição para mais um dia de protestos.

O site oficial da Aviação Militar Bolivariana, como era previsível, chamou Yánez Rodríguez de traidor.

É difícil avaliar se a manifestação do general da Aviação é isolada ou se, de fato, 90% dos militares estão contra Maduro.

Diz, por exemplo, David Smilde (Washington Office on Latin America), um dos observadores mais constantes e competentes da situação na Venezuela: “Há informações de que o moral está baixo entre os militares, mas está sendo assim há algum tempo".

Mas, acrescenta: “O alto comando militar foi escolhido a dedo por Maduro e seus integrantes estão envolvidos em atividades econômicas ilícitas e, em alguns casos, em violações dos direitos humanos", o que, naturalmente, lhes deixa pouca margem para revoltar-se.

Mesmo assim, chama a atenção o fato de que, passados dez dias da autoproclamação de Guaidó como presidente, em evidente rebelião contra a ditadura, ele continua livre e em plena articulação para a transição.

Por muito menos, Leopoldo López, uma espécie de guru de Guaidó, foi preso em 2014 e está até hoje em prisão domiciliar.

Talvez valha a respeito a interpretação de Sebastiana Barráez, na publicação digital Punto de Corte: “O governo não conta com a contundência do poder da Força Armada Nacional Bolivariana nos momentos em que mais o necessita".

O vídeo de Yánez Rodríguez dá força também à análise do jornal The Washington Post que diz que “a liderança militar exerce o poder somente enquanto seus subordinados se mantêm leais".

Resta ver se o general da Aviação é um ponto fora da curva entre os militares ou se sua rebelião marca o início do fim do regime.

Reuters e AFP
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.