Descrição de chapéu Venezuela

'Ventinho' pode derrubar governo Maduro, avalia Mourão

Vice-presidente diz ainda que transferência de embaixada em Israel vai 'ficar para as calendas'

Lisandra Paraguassu e Ricardo Brito
Brasília | Reuters

 É difícil estimar um prazo para mudanças na situação da Venezuela, mas o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, pode cair de uma hora para outra, "como um castelo de cartas", disse em entrevista à agência Reuters o vice-presidente Hamilton Mourão, nesta quinta-feira (14).

"É difícil você dar prazo numa situação como essa, porque é igual a um castelo de cartas. Às vezes dá um ventinho e ele cai da noite para o dia. Vamos lembrar do Muro de Berlim, que ninguém acreditou que caísse, como caiu da noite para o dia. Quando foi, foi. Acho que na Venezuela vai ser mais ou menos assim", previu.

O vice-presidente Hamilton Mourão, em Brasília - Ueslei Marcelino/Reuters

Desde que o governo de Jair Bolsonaro tomou posse, o Brasil aumentou a pressão diplomática sobre a Venezuela, inclusive com a decisão de aceitar o autoproclamado presidente interino do país, Juan Guaidó, como o presidente legítimo.

Esta semana, o governo brasileiro autorizou o grupo de Guaidó a abrir um ponto de estoque de ajuda humanitária em Roraima.

Mourão, que já foi adido militar na Venezuela e conhece bem o país, afirma, no entanto, que o Brasil não corre o risco de se envolver demais na situação do país vizinho.

"O envolvimento que a gente deve e podia ter já está colocado, que são as pressões diplomáticas, em termos de sanções econômicas nós temos muito pouca coisa para ser aplicada na Venezuela. O ponto lógico que poderíamos ir, já fomos", afirmou.

O governo brasileiro crê em um movimento dos militares venezuelanos para retirar o apoio a Maduro e levar à queda do ditador do país, mas Mourão admite que o Brasil não tem mais hoje relações diretas com as Forças Armadas do país vizinho.

"Nós perdemos muito desses contatos, porque com os expurgos sucessivos das Forças Armadas venezuelanas aqueles contatos que nós tínhamos ficaram limitados ao pessoal mais jovem, então com os militares de nível mais alto nós perdemos o contato", disse.

Admite, no entanto, que ainda existem informações de inteligência, e elas dão conta de uma insatisfação cada vez maior da base.

"O que a gente imagina dos dados disponíveis é que os postos mais baixos eles estão extremamente insatisfeitos, porque a crise os atinge", disse. "Quem se beneficia nessa crise são os escalões mais elevados que estão metidos aí no narcotráfico, corrupção, próprio controle da pouca atividade econômica que ainda existe no país está na mão deles."

Recentemente, dois militares de posto mais alto denunciaram o governo de Maduro e declararam lealdade a Guaidó. Foi a primeira, na sequência de crises que atinge a Venezuela há vários anos, que o chavismo viu um racha entre militares de mais alto escalão.

Mourão avalia que se começou a "puxar uma pontinha", mas mantém a posição —defendida por outros militares do governo brasileiro— de que a única maneira de Maduro deixar o poder é ter uma saída pelo aeroporto.

"Se nós queremos evitar um conflito interno na Venezuela, a gente tem de abrir um caminho para o Maduro sair. Dizer 'você e teu povo aqui, vocês pegam o ouro que tem, o dinheiro que tem e algum país aí disposto a recebê-los, vocês pegam um avião e vão embora'", defendeu.

General da reserva, Mourão foi a última escolha de Jair Bolsonaro para ocupar o posto de vice —o nome preferido do presidenciável era outro general, Augusto Heleno, hoje chefe do Gabinete de Segurança Institucional, que não aceitou— e mesmo durante a campanha ganhou uma imagem dura, conservadora.

Desde que assumiu o posto, no entanto, o vice-presidente tem aparecido mais moderado que o próprio presidente, e é visto como uma voz razoável em assuntos espinhosos, como na ideia presidencial de mudar a Embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, um tema tabu para os países árabes, com quem o Brasil tem uma relação comercial intensa.

Mourão tem recheado sua agenda de encontros com diversos embaixadores, inclusive de países árabes. Confirma que, no caso desses últimos, o assunto é a transferência da embaixada.

"Existe algumas ideias de que isso poderia trazer o terrorismo islâmico para o Brasil. Eu acho que essa é uma hipótese, mas uma hipótese mais remota. Eu acho que a preocupação maior é com a questão econômica, o comércio com os países árabes", disse.

"Não está decidido ainda. Acho que esse assunto vai ficar um pouco para as calendas. Depois a gente vê o que vai acontecer."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.