EUA devem anunciar fim das isenções para importadores de petróleo do Irã, diz jornal

Washington também concedeu perdão a oito economias que reduziram suas compras de petróleo iraniano

Washington | Reuters

Os Estados Unidos preparam para anunciar nesta segunda-feira (22) que todos os importadores de petróleo iraniano terão que encerrar suas importações em breve ou estarão sujeitos a sanções dos EUA, segundo um colunista do The Washington Post no domingo (21).

Os EUA voltaram a impor sanções em novembro passado às exportações de petróleo iraniano depois que Donald Trump se retirar unilateralmente de um acordo nuclear de 2015 entre o Irã e seis potências mundiais.

Plataforma de produção de petróleo em Soroush, no Golfo Pérsico, ao sul da capital Teerã
Plataforma de produção de petróleo em Soroush, no Golfo Pérsico, ao sul da capital Teerã - Raheb Homavandi 25.jul.2005/Reuters

Washington está pressionando o Irã para restringir seu programa nuclear e parar de apoiar proxies militantes em todo o Oriente Médio.

Juntamente com as sanções, Washington também concedeu perdão a oito economias que reduziram suas compras de petróleo iraniano, permitindo que continuem a comprá-lo sem incorrer em sanções por mais seis meses. Dentre elas a China, Índia, Japão, Coréia do Sul, Taiwan, Turquia, Itália e Grécia.

Mas na segunda-feira, o secretário de Estado Mike Pompeo irá anunciar “que, a partir de 2 de maio, o Departamento de Estado não concederá mais sanções a qualquer país que esteja importando petróleo ou condensado iraniano”, disse o colunista Josh Rogin, citando dois funcionários do Departamento de Estado sem revelar os nomes.

A agência Reuters procurou verificar o relatório, mas não conseguiu. Um porta-voz do Departamento de Estado não quis comentar.

Na quarta-feira (17), Frank Fannon, secretário de Estado adjunto para Recursos Energéticos dos EUA, repetiu a posição do governo de que "nossa meta é zerar as exportações iranianas o mais rápido possível".

Outros países observaram para ver se os Estados Unidos continuariam com as dispensas. Na terça-feira (16), o porta-voz da presidência da Turquia, Ibrahim Kalin, disse que a Turquia espera que os Estados Unidos estendam uma isenção concedida a Ancara para continuar as compras de petróleo do Irã sem violar as sanções dos EUA.

A Turquia não apoiou a política de sanções dos EUA sobre o Irã e não achou que isso daria o resultado desejado, disse Kalin a repórteres em Washington.

Washington tem uma campanha de "máxima pressão econômica" sobre o Irã e, por meio de sanções, pretende acabar com as exportações iranianas de petróleo e, assim, sufocar a principal fonte de receita de Teerã.

Isso é inferior a pelo menos 1,1 milhão de bpd, como estimado para março, e abaixo de mais de 2,5 milhões de bpd antes que as sanções fossem reimpostas em maio passado.

Na negociação de futuros durante a noite, o petróleo Brent, referência internacional em petróleo, subiu 0,6 por cento, para US $ 72,41 por barril, a maior desde novembro do ano passado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.