BBC dobra presença de mulheres em seus programas em um ano

Emissora britânica criou projeto para aumentar participação feminina em suas produções

São Paulo

A BBC anunciou um aumento da presença de mulheres em seus programas no último ano. Em abril de 2019, 57% de suas produções tiveram ao menos 50% de participação feminina, mais do que o dobro registrado há um ano. 

O projeto 50:50, lançado em abril de 2019, estabeleceu a meta de 50% de participação feminina em suas atrações, em funções como apresentadora, repórter, comentarista, personagem de reportagens e especialista. 

Andrea Leadsom, líder do Partido Conservador, dá entrevista ao apresentador Andrew Marr na BBC - Jeff Overs - 7.abr.2019/BBC/Reuters

No ano passado, 74 programas em inglês e dez serviços estrangeiros se comprometeram a atingir essa meta. Naquele momento, só 27% deles registravam ao menos metade de participação feminina em seus programas. Um ano depois, 74% deles atingiram a marca, segundo um comunicado divulgado pela emissora. 

Em todas as produções da BBC, o equilíbrio de participações entre homens e mulheres subiu de 26% para 57% em um ano. 

Ao longo do ano, mais equipes da BBC aderiram ao projeto. Atualmente, mais de 500 times internos se comprometeram com a meta de aumentar a participação feminina.

O projeto também foi levado ao noticiário esportivo, político e econômico, áreas nas quais a presença masculina costumava ser maior. O programa Sportsday, que tinha apenas 20% de participação de mulheres, viu o índice subir para 43% em abril de 2019. 

A BBC compartilhou a metodologia do projeto com outras 20 empresas de mídia, incluindo Financial Times, ABC News e Fortune. 

Segundo a estatal britânica, uma pesquisa mostrou que mais de um terço de sua audiência disse ter percebido a presença maior de mulheres na programação. Ainda de acordo com o levantamento, um quinto das mulheres disse que a mudança aumentou sua satisfação ao assistir aos programas de TV.

O projeto 50:50 foi criado meses depois de a BBC ser acusada de pagar salários menores a mulheres executivas na comparação com homens em cargos similares.

Em 2017, uma editora na China, Carrie Grace, pediu demissão depois de descobrir que recebia metade do valor pago a colegas homens.

A desigualdade salarial na emissora está sendo investigada por uma comissão do governo britânico. A BBC é mantida com dinheiro de impostos recolhidos no Reino Unido, mas funciona de modo independente do governo. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.