Ao chegar ao Japão, Bolsonaro diz que não aceitará ser advertido no G20

Presidente reagiu à declaração de Angela Merkel sobre a política ambiental brasileira

Talita Fernandes
Osaka

Ao chegar ao Japão para participar da reunião do G20, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que não aceitará advertências de outros países. A afirmação é uma reação à declaração da chanceler alemã, Angela Merkel, sobre o desmatamento no Brasil.

"Eles [alemães] têm a aprender muito conosco. O presidente do Brasil que está aqui não é como alguns anteriores que vieram aqui para serem advertidos por outros países. Não, a situação aqui é de respeito para com o Brasil. Não aceitaremos tratamento como no passado, de alguns casos de chefes de Estado que estiveram aqui", disse, sem citar a quem se referia.

Jair Bolsonaro (PSL) chega no Japão para participar da reunião do G20 - Charlly Triballeau - 27.jun.2019/AFP

Na quarta (26), Merkel disse ver com grande preocupação as ações do governo brasileiro em relação ao desmatamento na Amazônia e que aproveitará o G20 para ter "uma conversa clara" com o brasileiro. 

"Assim como vocês, vejo com grande preocupação a questão das ações do presidente brasileiro [em relação ao desmatamento], e, se ela se apresentar, aproveitarei a oportunidade no G20 para ter uma discussão clara com ele", afirmou a líder alemã a deputados de seu país.

Bolsonaro disse não ter problema em falar com a alemã, mas, segundo a assessoria de imprensa da Presidência, a chanceler não procurou a comitiva brasileira para marcar um encontro.

Questionado se achava que Merkel havia sido desrespeitosa, o presidente disse que só sabia do que foi relatado pela imprensa e que "lamentavelmente, grande parte do que a imprensa escreve não é aquilo".

Um dos repórteres na entrevista coletiva informou Bolsonaro de que o tema foi reportado por jornais alemães, e Bolsonaro demonstrou irritação.

"Não interessa, e deixa eu terminar o raciocínio. Então tem que fazer a filtragem para não se deixar contaminar por parte da mídia escrita em especial", afirmou.

Bolsonaro desembarcou em Osaka pouco antes das 14h (horário local) desta quinta-feira (27) para sua estreia no encontro que reúne líderes das 20 maiores economias do mundo.

Em uma breve entrevista ao chegar ao hotel onde se hospedará nos próximos dias, o presidente se mostrou impaciente em mais de uma pergunta feita pelos jornalistas.

Quando questionado qual seria sua mensagem de estreia no G20, Bolsonaro disse que veio ao Japão "para falar e ouvir".

Após insistência sobre mais detalhes do que o governo brasileiro apresentará, o presidente ficou em silêncio por alguns minutos e disparou: "Quer que eu fale o quê?".

Na sequência, disse que tratará de indústria, internet e meio ambiente. "Tudo que estiver na pauta nós falaremos, bem como vão nos questionar alguma coisa, tenho certeza, e estamos prontos para responder."

O presidente encerrou a entrevista rapidamente e não chegou a comentar a prisão do segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, que chegou a Sevilla com 39 kg de cocaína num avião da comitiva de Bolsonaro.

O tema gerou desconforto no governo, e Bolsonaro defendeu que o caso seja apurado.

O porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, negou que a irritação do presidente se deva a esse episódio e disse que ele está cansado após uma viagem de 25 horas do Brasil ao Japão.

No G20, Bolsonaro terá entre seus compromissos ao menos sete encontros bilaterais: Donald Trump (EUA), Xi Jinping (China), Shinzo Abe (Japão), Emmanuel Macron (França), Lee Hsien-Loong (Cingapura), Narendra Modi (Índia) e Mohammed bin Salman (Arábia Saudita).

Questionado sobre o que esperava da agenda com Trump, o presidente disse que "esperava ter uma conversa reservada com ele". Após insistência dos jornalistas para saber o que está na pauta, não quis responder. "Se é reservada, é reservada."

Este será o segundo encontro entre os dois líderes desde que Bolsonaro assumiu a Presidência. Em março, ele foi recebido por Trump na Casa Branca.

O presidente disse ainda que o Brasil não tem lado na guerra comercial entre China e EUA, que deve ser um dos temas centrais da cúpula.

"Não, lógico que os produtos da China para os Estados Unidos e para cá, em parte, interessam ao Brasil, porque tem a questão de commodities. Então, obviamente a gente não quer que haja briga para gente poder se aproveitar. A gente está buscando paz e harmonia como estamos trabalhando no caso do Mercosul e da União Europeia", afirmou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.