Descrição de chapéu Portugal

Com custo de vida baixo, Braga atraiu 10 mil brasileiros nos últimos três anos

Cidade portuguesa tem boa infraestrutura de saúde e transporte

Giuliana Miranda
Braga (Portugal)

Vizinha do Porto, no Norte de Portugal, a histórica Braga desponta como um dos destinos favoritos dos novos imigrantes brasileiros. Estimativas da Câmara Municipal indicam a chegada pelo menos 10 mil nos últimos três anos. 

O custo de vida mais baixo do que os centros urbanos e a boa oferta de transporte e saúde acabam sendo o principal atrativo da cidade, que abriga ainda a Universidade do Minho.

Praça da República, no centro de Braga, tem letreiro grande com o nome da cidade
Praça da República, no centro de Braga - DPA Picture-Alliance - 22.mai.2018/AFP

Braga virou também uma espécie de sensação nas redes sociais. Há vários sites e canais do YouTube feitos por brasileiros que se dedicam a falar da vida na cidade. 

Tanta propaganda do município surpreendeu até o presidente da Câmara (equivalente ao prefeito), Ricardo Rio, que viu um dos vídeos de sua campanha —que enumerava os atributos da cidade de cerca de 136 mil habitantes— ter mais de 2 milhões de visualizações no Brasil. 

Segundo Rio, a chegada dos brasileiros ajudou a dinamizar a economia e tem agregado de maneira positiva à cidade. 

“Esta onda de imigração é de pessoas com muitas qualificações e com muito poder de compra e capacidade de investimento. A cidade tem ganhado com isso. Tem-se vindo a desenvolver projetos em várias áreas”, diz o “prefeito”, que destaca que os brasileiros investem em setores tão variados quando alimentação e biotecnologia.

“Mesmo a mão de obra menos qualificada tem dado resposta a uma necessidade. É o caso da restauração e do comércio, até do turismo, que eram setores que tinham muita falta de trabalhadores”, completa. 

Embora bem inseridos na comunidade, os brasileiros acabaram mexendo com o mercado imobiliário local, que enfrenta uma alta generalizada de preços.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.