Descrição de chapéu The Washington Post Governo Trump

Escolhas catastróficas no visual de Trump no Reino Unido não são apenas sinal de mau gosto

Já Melania Trump refletiu a formalidade da visita de Estado em cada roupa que vestiu

Robin Givhan
Washington Post

O presidente e a primeira-dama já deixaram a pompa e circunstância da Inglaterra para trás. Melania Trump tirou seu chapéu do designer Phillip Treacy. O presidente voltou a usar seu terno habitual e suas gravatas longas demais.

Mas, como um americano cujas vogais toscas de repente ficam polidas e chiques na presença de um sotaque britânico, Trump parece ter absorvido um pouco —apenas um pouco— da precisão britânica: ele abotoou seu paletó.

Foi muito pouco. E foi tarde demais.

Como as esteiras de fumaça de um jato no céu, o primeiro casal deixou para trás um ensaio fotográfico feito de chapéus que enquadram o rosto, vestidos de noite de grife, um vestido Gucci com estampas lembrando cartões postais, uma blusa com laço na gola e um exemplo espetacularmente inapropriado de traje formal noturno.

Moda é diplomacia. Qual foi a mensagem desse guarda-roupa?

Se qualquer homem erra no traje "white-tie" (do mais alto nível de formalidade) —uma coisa tão arraigada na tradição, tão fartamente documentada, tão rigidamente definida— , só pode ser porque é um homem que não se dá ao trabalho de velar pelos detalhes, que não se vale dos conselhos de especialistas que poderiam ajudá-lo, que se nega a estudar a história ou até mesmo o Google.

O traje "white-tie" é mais ciência do que arte. O corte da casaca tem que ser preciso. Não pode haver metros de colete branco aparecendo por baixo da casaca.

As mangas não devem se estender até a base do polegar. A casaca não deve ser abotoada. E assim por diante. O traje "white-tie" é algo factual. Não há como errar. Não se tomam decisões sobre o white-tie com base no próprio instinto, a não ser que você queira acabar com seu abdome excessivamente exposto.

 
O presidente americano, Donald Trump, a rainha Elizabeth 2ª e Melania Trump, mulher de Trump, em jantar oferecido no Palácio de Buckingham - Alastair Grant/AFP

​Em outras palavras, a versão de "white-tie" usada pelo presidente Trump no jantar de Estado no Palácio de Buckingham foi um desastre. O colete era longo e justo demais. A casaca não lhe cabia bem. As calças eram muito folgadas.

E o próprio presidente americano parecia tão pouco à vontade no traje infeliz que sua falta de jeito o cercava como a nuvem de sujeira em volta de Chiqueirinho, aquele personagem da tirinha “Minduim”.

O visual apresentado foi o de um homem que parecia deslocado, por sua própria culpa, em um momento de alta formalidade e cerimônia cujo propósito era transmitir civilidade, respeito e cortesia.

Já a primeira-dama se mostrou durante toda a visita à Inglaterra uma estudante atenta do que seria apropriado para cada ocasião. Ela se esforçou tremendamente para passar uma impressão perfeita.

Se sentimos que faltou sutileza às suas escolhas ou se elas simplesmente não foram do nosso gosto, é fato que cada visual dela refletiu a formalidade da ocasião, reconheceu a tradição e, ao mesmo tempo, se manteve fiel à sensibilidade pessoal que Melania Trump manifesta nos últimos anos.

Houve vestidos-camisa usados com cinto, mais blusas com laço na gola, saltos agulha, ombros marcados e pelo menos um vestido de noite com corpete em estilo capa. Esses são elementos que fazem parte do estilo típico de Melania e criaram um visual que é controlado e reservado.

Com o acréscimo de chapéus de aba larga usados para o lado, incluindo um de Hervé Pierre, seu colaborador frequente, a primeira-dama em vários momentos pareceu uma agente secreta da moda engajada em uma missão sigilosa.

Ela lançou mão das armas pesadas da moda. Pelo que foi possível vislumbrar, não houve estilistas jovens ou ainda em ascensão representados em seu guarda-roupa público. Foi uma sucessão de grifes famosas: Dolce & Gabbana, Dior, Gucci, Burberry e assim por diante.

Houve momentos em que a homenagem de Melania à Inglaterra pareceu simplista, como quando ela saiu da Casa Branca usando um vestido Gucci com estampa de suvenires turísticos, com imagens de cartões postais de Londres como o Big Ben, além de alguns ônibus de dois andares.

Sua blusa estampada da Burberry é cheia de medalhas, cordões dourados e a palavra “society” estampada na frente e nas costas. A escolha dessa marca tipicamente britânica foi a homenagem mais direta prestada pela primeira-dama a seus anfitriões.

De resto, ela usou um trench coat da Celine, uma bolsa Birkin da Hermes, um vestido Dolce & Gabbana branco com arremates em azul marinho e um casaco branco da grife americana The Row.

As pessoas vislumbraram em sua indumentária referências à princesa Diana e a Eliza Doolittle (a personagem representada por Audrey Hepburn em “My Fair Lady”) —ou seja, as pessoas enxergaram uma versão de estilo britânico que acabou por dominar o imaginário popular, apesar de nenhuma dessas roupas ter sido criada por uma firma britânica de fato.

O vestido de noite Givenchy vermelho em que a primeira-dama foi vista na residência do embaixador americano foi um gesto de reconhecimento indireto ao talento criativo britânico —a diretora criativa da grife, Clare Waight Keller, é britânica e foi responsável pelo vestido de casamento de Meghan, a duquesa de Sussex.

As roupas de Melania Trump contam uma história de moda escolhida intencionalmente e que não tem raízes na verdade histórica.

Os Trump trouxeram na viagem todos os filhos adultos do presidente –Don Jr., Eric, Ivanka e Tiffany. Os rapazes pareciam tão pouco à vontade de "white-tie" quanto seu pai. E seus trajes lhes couberam apenas um pouco melhor que os dele.

Ivanka Trump, que é também assessora do presidente, optou por uma estética decorosa e pudica em sua passagem pela Inglaterra. Suas roupas exalaram feminilidade clássica, como se viu na saia com pregas e no vestido azul claro de Carolina Herrera, com saia ampla, que ela usou no Palácio de Buckingham.

Ivanka Trump (à direita) e o príncipe Andrew, duque de York - Tolga Akmen/AFP

O estilo dela é cuidadosamente suave, sem arestas duras. Ivanka é a filha do foco suave. Aquela que está sempre presente, sempre à mesa. Ela é vista, chega até a ser ouvida, mas não chega a ser definida com clareza.

Se houve alguma história visual do clã Trump em sua passagem pela Inglaterra, foi uma história separada em pedacinhos. As escolhas de moda dos Trump são reveladoras e falam em seu nome: um chapéu respeitoso e um vestido lindo Dior; uma filha flutuando numa nuvem de seda, babados e chiffon, a outra posicionada nas margens da foto de grupo, ancorada por um vestido pesado, cor de vinho, de um tom escuro que não condiz com a estação.

Os filhos da elite privilegiada são versões em miniatura de seu pai, postados rigidamente de "white-tie", divulgando sua pose arrogante no Instagram.

O genro, Jared Kushner, com seu rosto sem marcas de expressão, suas bochechas lisas de criança e suas roupas de corte astuto e perfeito, estava ali, mas ao mesmo tempo não estava.

E ao centro de tudo, o presidente, o homem que poderia ter feito muito melhor.

Donald Trump e Melania Trump, em visita ao Reino Unido - Mandel Ngan/AFP

Tradução de Clara Allain

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.