Chanceler paraguaio renuncia após acordo polêmico com Brasil sobre Itaipu

Oposição afirma que Paraguai teria US$ 200 mi de prejuízo na compra de energia elétrica da binacional

Assunção | Reuters e AFP

O chanceler do Paraguai, Luis Castiglioni, e outros três altos funcionários do governo renunciaram nesta segunda (29) em meio a uma crise política detonada pela assinatura de um acordo energético com o Brasil em maio.

Autoridades e legisladores disseram que o documento, que versava sobre a compra, pelo Paraguai, de energia da hidrelétrica de Itaipu até 2022, seria prejudicial para o país e custaria ao governo US$ 200 milhões.

As distribuidoras Ande (Paraguai) e Eletrobras (Brasil) acordam anualmente a contratação da energia elétrica procedente da usina binacional, uma das maiores do mundo.

Foto de arquivo do agora ex-chanceler do Paraguai, Luis Alberto Castiglioni; ele renunciou nesta segunda (29) - Norberto Duarte/AFP

"O presidente acabou de receber a renúncia. Ele tomou a decisão de aceitar essas demissões e, durante a semana, comunicará quem substituirá essas pessoas", disse o assessor presidencial Hernán Huttermann.

Os outros três que renunciaram nesta segunda foram Alcides Jiménez, que havia assumido o cargo de chefe da companhia estatal de energia Ande há poucos dias; Hugo Saguier, embaixador do Paraguai no Brasil; e José Alderete, diretor paraguaio de Itaipu.

As renúncias ocorrem após a decisão do Executivo paraguaio de solicitar a anulação de ata assinada com o Brasil em maio e publicada neste final de semana.

Em março, o presidente Mario Abdo visitou o Brasil e discutiu a revisão de cláusulas financeiras envolvendo a hidrelétrica. À época, o ministro da Fazenda paraguaio, Benigno López, disse esperar que as negociações fossem justas e rápidas.

Na semana passada, o ex-presidente da Ande, Pedro Ferreira, já havia renunciado após discordar dos termos do acordo e se recusar a assiná-lo.

O Congresso paraguaio exigiu uma explicação do governo, enquanto os representantes da Ande se manifestaram em frente ao prédio legislativo com cartazes dizendo "eles não terão paz enquanto violarem a Constituição".

Itaipu, que opera desde 1984, atualmente tem uma potência instalada de 14 mil megawatts. O Brasil consome cerca de 84% da energia da usina, o que representa 15% de toda a energia utilizada no país.

Os países se preparam para negociar o futuro de Itaipu com um importante adendo ao tratado fundador da hidrelétrica, que expirará em 2023.

Protestos em Assunção, no Paraguai, contra o presidente Mario Abdo
Protestos em Assunção, no Paraguai, contra o presidente Mario Abdo - Norberto Duarte/AFP
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.