Ministro da Fazenda do México renuncia devido a conflito com Obrador

Carlos Urzúa anuncia saída em carta publicada em rede social

Cidade do México | AFP

O ministro da Fazenda do México, Carlos Urzúa, renunciou nesta terça-feira (9) alegando discrepâncias com o governo de esquerda do presidente Andrés Manuel López Obrador e a "inaceitável" imposição de funcionários sem conhecimento da administração pública. 

"Houve muitas discrepâncias em matéria econômica. Algumas delas porque, neste governo, foram tomadas decisões de política pública sem sustentação suficiente", escreveu Urzúa, em nota publicada em uma rede social.

Ele afirmou também que a decisão resultou da "inaceitável imposição de funcionários que não têm conhecimento da Fazenda Pública".

"Isso foi motivado por personagens influentes do atual governo com um evidente conflito de interesse", escreveu, sem dar nomes.

Carlos Urzúa, então Ministro da Fazenda do México, durante entrevista coletiva; atrás dele, o presidente Andrés Manuel López Obrador
Carlos Urzúa, então Ministro da Fazenda do México, durante entrevista coletiva; atrás dele, o presidente Andrés Manuel López Obrador - Henry Romero/Reuters

Obrador aceitou a renúncia de Urzúa e em seu lugar designou Arturo Herrera, que era subsecretário da Fazenda.

"Ele [Urzúa] não concorda com as decisões que estamos tomando, e temos o compromisso de mudar a política econômica que se impõe há 36 anos", disse Obrador em um vídeo.

"Aceito a renúncia do ministro da Fazenda, a quem agradeço seu apoio e respeito (...). Decidi nomear Arturo Herrera Gutiérrez", afirmou.

Discrepâncias públicas

Urzúa, 64, ocupava o cargo desde 1º de dezembro, quando Obrador assumiu a presidência do país.

De 2000 a 2003 colaborou com o presidente quando este era prefeito da Cidade do México. 

Durante a gestão de Urzúa, o ministério da Fazenda foi duramente criticado por levar a cabo recordes de gasto público que geraram queixas de vários setores da administração federal.

Os investidores e o mercado, no entanto, confiavam no papel de Urzúa, que buscava manter as contas públicas saudáveis.

No dia 21 de maio, no entanto, Germán Martínez, diretor do Instituto Mexicano de Previdência Social, renunciou após criticar os cortes realizados pelo Ministério da Fazenda.

Também houve outros conflitos com Obrador. Um deles aconteceu em março, quando Herrera, então subsecretário da Fazenda, disse que o governo federal parou a refinaria Dos Bocas, no estado de Tabasco, um dos projetos emblemáticos da gestão do presidente.

Depois da declaração, o próprio Obrador desmentiu Herrera e disse que o projeto seguia adiante.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.