Promotores pedem que traficante El Chapo pague US$ 12 bilhões de indenização

Valor é estimativa de quanto ele teria ganho ao vender drogas nos Estados Unidos

Nova York | Reuters

Promotores federais dos Estados Unidos anunciaram nesta sexta-feira (5) que pedirão à Justiça que o traficante Joaquín Guzmán pague US$ 12,7 bilhões (R$ 48,5 bi) de indenização ao governo norte-americano.

A soma representa o valor total que Guzmán, conhecido como "El Chapo", teria ganho por traficar maconha, cocaína e heroína ao longo de vários anos, crime pelo qual foi condenado por um júri nos EUA, em fevereiro.​​

O traficante mexicano Joaquín Guzmán, após ser capturado, em janeiro de 2016
O traficante mexicano Joaquín Guzmán, após ser capturado, em janeiro de 2016 - Alfredo Estrella/AFP

A decisão será anunciada em 17 de julho. A expectativa é que ele seja condenado à prisão perpétua. 

O júri ouviu 50 testemunhas trazidas pela promotoria, que revelaram detalhes do funcionamento do cartel do tráfico de drogas.  

Os promotores não informaram quais bens poderiam ser apreendidos pelo governo norte-americano para serem usados no pagamento da indenização.

"Esse é um exercício teórico, já que o governo nunca localizou ou identificou nenhum centavo desses US$ 12 bilhões em ganhos supostamente gerados pelo sr. Guzmán", disse Jeffrey Lichtman, um de seus advogados. 

Na quarta-feira (3), um juiz negou o pedido de um novo julgamento, feito pela defesa. Os advogados disseram que era necessário um novo processo depois que a revista Vice publicou entrevista com um dos jurados, que afirmou ter havido desrespeito a ordens do tribunal por parte do júri durante o caso.

Guzmán ganhou espaço no narcotráfico nos anos 1980 ao construir túneis na fronteira que permitiam ao seu grupo enviar drogas do México aos EUA mais rápido do que qualquer outro cartel. 

No entanto, ele passou a maior parte da vida fugindo, entre esconderijos nas montanhas de Sinaloa. Escapou duas vezes de prisões de segurança máxima no México e foi capturado pela última vez em 2016, quando foi extraditado aos EUA.

Apesar da prisão de Guzmán, o cartel de Sinaloa segue sendo o principal fornecedor de drogas para os Estados Unidos, de acordo com o DEA, o departamento norte-americano de combate a entorpecentes. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.