Bolsonaro foi indelicado com Bachelet, diz Doria, que receberá chanceler

Embate com chilena vira novo ponto de atrito entre presidente e governador de SP

Igor Gielow
São Paulo

O ataque de Jair Bolsonaro (PSL) à comissária dos Direitos Humanos das Nações Unidas, a chilena Michelle Bachelet, virou novo ponto de atrito entre o presidente e o governador paulista, João Doria (PSDB).

"Uma indelicadeza, não se faz isso com ninguém, ainda mais uma ex-presidente", disse o tucano sobre o episódio. Nesta sexta (6), ele terá oportunidade de falar novamente sobre o tema com chanceler do Chile, Teodoro Ribera, que visita o país em viagem pré-agendada.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que trabalha por uma candidatura presidencial em 2022
O governador João Doria (PSDB-SP), que trabalha por uma candidatura presidencial em 2022 - Pedro Ladeira - 20.ago.2019/Folhapress

Na quarta (4), Bolsonaro respondeu a críticas de Bachelet ao estado da democracia brasileira enaltecendo a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) e dizendo que ela evitou que esquerdistas como o pai da comissária chegassem ao poder.

Alberto Bachelet era um brigadeiro da Força Aérea legalista e opositor do golpe de Pinochet, cujo regime o prendeu e torturou até sua morte, por doença cardíaca, em 1974.

Sua filha, a política centro-esquerdista Michelle, foi presidente do Chile em duas ocasiões (2006-10 e 2014-18), e a fala de Bolsonaro foi criticada pelo sucessor centro-direitista dela, Sebastián Piñera.

"Acho que ele [Bolsonaro] pode compreender e talvez recuar, pedir desculpas. Foi criticado no Chile, pela direita e pela esquerda", afirmou Doria.

O governador, cujo pai foi um deputado exilado na ditadura brasileira, já havia discordado de uma fala correlata de Bolsonaro, em que ele sugeria que o pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil não havia sido morto pelos militares, mas sim por colegas de luta armada.

Para o tucano, a nova declaração se encaixa à perfeição para seu projeto de tentar desvincular-se do apoio que pediu ao então candidato durante a campanha eleitoral de 2018, o chamado voto BolsoDoria. 

Doria nega, mas está em plena campanha para tentar suceder Bolsonaro em 2022.

Em conversa com a Folha na terça (4), o presidente chamou o tucano de "ejaculação precoce". No fim de semana, havia dito que ele estava "morto para 2022".

Transitando na centro-direita do eleitorado que já apoiou Bolsonaro com mais afinco, Doria morde e assopra.

Nesta semana, ele repetiu a terminologia bolsonarista e retirou das escolas paulistas material didático sobre orientação sexual alegando que ele promovia a chamada ideologia de gênero, suposta liberalidade excessiva em favor de minorias.

Ao mesmo tempo, nesta quinta, admoestou o presidente na esteira da crítica sobre Bachelet. "Tomo aqui a liberdade de dar um conselho para o presidente Jair Bolsonaro: que cuide mais de seu país, de seu povo, com menos briga, menos acusações, menos agressões. Temos mais de 13 milhões de desempregados", disse após evento no Palácio dos Bandeirantes, ampliando o escopo do embate.

A visita do chanceler, que será acompanhado do embaixador chileno, Fernando Schmidt, e do cônsul-geral do país em São Paulo, Alejandro Sfeir, já estava programada. Mas acabará sendo uma oportunidade a mais para Doria vocalizar sua posição. Em viagem ao Brasil, Ribera esteve em Brasília e irá falar sobre investimentos do seu país no estado.

Orientado por pesquisas que indicam a rejeição à fraseologia combativa e radical de Bolsonaro, Doria elaborou um discurso em que evita demonizar o eleitor do presidente.

"Sessenta milhões de pessoas votaram no presidente na esperança de que ele possa mudar o país. Continuo acreditando que é possível, mas não será com briga e com palavrões que nós vamos construir uma imagem positiva do Brasil. E não vamos construir uma economia sólida para gerar emprego e confiança dos investidores internacionais", disse.

Na semana passada, os dois mandatários já haviam se estranhado quando o presidente acusou o governador de "mamar na teta do BNDES" por ter obtido um empréstimo do banco estatal com juros financiados para compra de um jatinho da Embraer.

Doria rebateu, dando continuidade a uma disputa que só fez crescer ao longo deste ano.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.