Descrição de chapéu BBC News Brasil

'Casamento do prazer': clérigos usam prática religiosa polêmica para prostituir meninas no Iraque

Investigação acompanhou casos próximos a importantes santuários do país

Nawal al-Maghafi
BBC News Brasil

Religiosos no Iraque estão agenciando meninas para atividades sexuais, revela uma investigação da BBC News Arabic (serviço árabe da BBC) sobre a prática xiita do "casamento temporário".

Ilustração mostra mulher jovem triste de olhos fechados. Ao redor, diversas mãos na cor preta oferecem aneis de casamento.
Com câmeras escondidas, equipes de reportagem da BBC desvendam um mundo secreto de exploração sexual de crianças e jovens por uma elite religiosa em Bagdá e Karbala, dois dos lugares mais sagrados do Iraque - BBC News Brasil

A investigação secreta acompanhou escritórios de casamentos dirigidos por clérigos perto de alguns dos santuários mais importantes do Iraque. E descobriu que a maioria dos clérigos procurados estava disposta a abrir caminho para esse tipo de "casamento" por períodos muito curtos, às vezes apenas uma hora, somente para permitir o sexo.

Alguns sinalizaram a possibilidade de encontros temporários com meninas de 9 anos.

A reportagem indica que os clérigos agem como cafetões e dão bênção religiosa ao abuso sexual de crianças.

Foto mostra mulher sentada com caderno de anotações. Ela olha com atenção para a sombra de uma pessoa que está de costas para a imagem, aparentando falar
A investigação da BBC liderada por Nawal al-Maghafi levou quase um ano para ser concluída - BBC News Brasil

'Casamento prazeroso'

O casamento temporário ou por prazer —nikah mut'ah— é uma prática religiosa controversa usada pelos muçulmanos xiitas para firmar um casamento temporário, pagando uma quantia em dinheiro à mulher. Nos países de maioria sunita, o casamento chamado misyah cumpre uma função semelhante.

A prática surgiu supostamente para permitir que um homem se casasse enquanto viajava, mas hoje é usada para permitir que um homem e uma mulher tenham relações sexuais por um período limitado. Estudiosos muçulmanos se dividem a respeito - alguns dizem que ela legitima a prostituição; há também um debate sobre qual deveria ser a duração de um casamento do tipo.

Equipes iraquianas e britânicas da BBC conduziram a reportagem por 11 meses, filmando disfarçadamente clérigos, fazendo contato com mulheres exploradas sexualmente e conversando com homens que pagaram pelo serviço.

Após 15 anos de guerra, estima-se que 1 milhão de mulheres iraquianas tenham se tornado viúvas e muitas outras perderam suas casas. A equipe da BBC descobriu que muitas meninas e mulheres são levadas a aceitar o "casamento temporário" por causa da pobreza.

Repórter está de costas do lado esquerdo da imagem, olha para uma menina que tem a cabeça completamente coberta por um capuz preto para não ser identificada enquanto dá seu testemunho
A reportagem ouviu meninas que relataram terem sido agenciadas por clérigos - BBC News Brasil

Sinal favorável para casamentos com meninas de 12 anos

A equipe encontrou indícios de que os casamentos temporários estão amplamente disponíveis em duas das áreas mais sagradas do Iraque.

Por exemplo, foram abordados dez clérigos em Khadimiya, Bagdá, um dos santuários mais importantes para os muçulmanos xiitas. Oito deles disseram que realizariam casamentos temporários. Metade disse que poderia fazê-lo com uma menina de 12 ou 13 anos.

A equipe também abordou quatro clérigos em Karbala, o maior local de peregrinação xiita do mundo. Eles foram filmados com uma câmera secreta. Três deles disseram que forneceriam mulheres, e dois, meninas.

Prédio árabe com duas torres laterais cercado de multidão de peregrinos
Kadhimiya é um importante lugar de peregrinação - Getty Images

Sayyid Raad, um clérigo de Bagdá, disse ao repórter disfarçado da BBC que as leis islâmicas (sharia) não limitam o tempo do casamento prazeroso.

 "Um homem pode se casar com quantas mulheres quiser. Você pode se casar com uma garota por meia hora e, assim que acabar, imediatamente pode se casar com outra".

Em primeiro plano, peregrinos se reúnem em grande número. Ao fundo está o prédio da mesquita
A mesquita de Karbala é um dos pontos mais sagrados para os xiitas - BBC News Brasil

Perguntado se era aceitável ter um casamento temporário com uma criança, Raad respondeu "Apenas tome cuidado para que ela não perca a virgindade".

"Você pode ter preliminares com ela, deitar com ela, tocar seu corpo, seus seios... Mas você não pode penetrá-la de frente. Mas o sexo anal, tudo bem", continuou.

Questionado sobre o que aconteceria se a garota se machucasse, o clérigo respondeu encolhendo os ombros.

"É entre vocês dois se ela pode suportar a dor ou não."

Sheikh Salawi, um clérigo de Karbala, foi perguntado —filmado por uma câmera secreta— se uma menina de 12 anos seria aceitável para o mut'ah.

"Sim, a partir dos nove anos... Não há problema algum. Segundo a sharia, não há problema", diz ele.

Como Raad, Salawi disse que o único problema era se a garota fosse virgem. As preliminares eram permitidas e o sexo anal apenas se a menor consentisse, ele aconselhou, antes de acrescentar: "Faça o que você deseja".

Casamento por telefone

Placas com texto em árabe penduradas numa marquise de prédio na rua de Kadhimya. Ao fundo, céu ensolarado.
Placas apontam para escritórios de casamentos temporários em Kadhimiya - BBC News Brasil

Para testar os procedimentos que envolvem a prática com uma criança, o repórter descreveu para Sayyid Raad uma garota de 13 anos chamado "Shaimaa", com quem ele queria um casamento de prazer. Na realidade, a garota era interpretada por uma colega da BBC.

Sayyid Raad não pediu para conhecê-la ou conversar com sua família. Sentado em um táxi com o repórter disfarçado, ele concordou em realizar o casamento por telefone.

Ele perguntou à garota: "Você concorda, Shaimaa, em me dar seu consentimento para casar com ele, que te pagará 150.000 dinares por um dia?".

No final, ele disse: "Agora vocês dois são casados ​​e é halal (permitido) estar juntos."

Ele cobrou ao repórter disfarçado US$ 200 (cerca de R$ 815) pelos poucos minutos da "cerimônia" e não demonstrou preocupação com o bem-estar da menina de 13 anos de idade.

Em outro episódio, o repórter disfarçado se recusou a seguir em frente com um casamento prazeroso, e então um clérigo sugeriu que ele poderia preferir uma garota na adolescência e se ofereceu para encontrá-la.

A equipe da BBC registrou ainda o testemunho de uma menor que alega ter sido espancada por um clérigo, o que foi confirmado por outras testemunhas.

Cobertura religiosa

Um homem casado que usa regularmente casamentos prazerosos para fazer sexo com estranhas fornecidas por clérigos disse à BBC: "Uma menina de 12 anos é apreciada porque ainda é 'fresca'. Ela será cara —US$ 500, US$ 700, US$ 800 (respectivamente cerca de R$ 2 mil, R$ 2,8 mil e R$ 3,2 mil)— e isso é apenas o que o clérigo pode ganhar."

Ele acredita que tem apoio religioso para seu comportamento: "Se um homem religioso diz que o casamento de prazer é halal, não conta como pecado".

Yanar Mohammed, ativista dos direitos das mulheres que administra uma rede de abrigos femininos em todo o Iraque, diz que as meninas estão sendo tratadas neste sistema como "mercadoria", e não seres humanos.

"Usar a 'mercadoria' de algumas maneiras é permitido, mas a virgindade é resguardada como uma grande venda a ser feita no futuro", diz, indicando que a grande venda significa casamento.

Quando a virgindade de uma menina já foi perdida, ela é vista como não casável e corre o risco de ser morta por sua própria família por representar uma desonra.

"São sempre as meninas e mulheres que pagam o preço", diz Yanar Mohammed.

Perfil de mulher fotografado de perto, de modo que só é possível ver o olho esquerdo com maquiagem. O olho está para baixo.
Equipe da BBC verificou que muitas meninas e mulheres são levadas a aceitar o casamento de prazer por causa da pobreza - BBC News Brasil

Condenação

Ghaith Tamimi é um ex-clérigo xiita de alto escalão no Iraque que agora está exilado em Londres depois de opinar sobre o fundamentalismo.

Ele condenou os clérigos que usam o casamento por prazer para explorar mulheres e, em particular, aqueles que sancionam a prática com meninas muito jovens: "O que esse homem está dizendo é um crime que deve ser punido por lei", disse, comentando as gravações feitas pela equipe da BBC.

Alguns líderes religiosos xiitas iraquianos afirmam que a lei islâmica permite atos sexuais com crianças. Tamimi exige que os líderes xiitas condenem essas práticas.

Dois dos três clérigos filmados secretamente pela BBC News se descrevem como seguidores do aiatolá Sistani, uma das figuras mais importantes do islamismo xiita.

No entanto, em um comunicado à BBC, o aiatolá disse: "Se essas práticas estão acontecendo da maneira que vocês estão dizendo, nós as condenamos sem reservas. O casamento temporário não é permitido como uma forma de vender sexo de uma maneira que menospreze a dignidade e a humanidade das mulheres."

Um porta-voz do governo iraquiano declarou à BBC: "Se as mulheres não vão à polícia com suas queixas contra clérigos, é difícil para as autoridades agirem".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.