Indígenas aceitam diálogo, e Equador pode rever decreto do combustível

Prefeito de Quito diz que presidente se mostrou disposto a revisar medida que causou crise

Sylvia Colombo
Quito

O movimento indígena que protesta no Equador anunciou neste sábado (12) que aceita dialogar com o presidente Lenín Moreno para negociar uma saída à crise deflagrada pelo aumento no preço dos combustíveis.

Por outro lado, prefeitos das principais cidades do país, reunidos com o presidente, afirmaram que este se mostrou “disposto a revisar o decreto que retira o subsídio aos combustíveis”, segundo declarações de Jorge Yunda, prefeito de Quito, a meios locais.

Os dirigentes municipais têm tido reuniões com Moreno ao longo da semana para tentar mediar o conflito com os indígenas. O governo nacional ainda não se pronunciou sobre o decreto.

"Depois de um processo de consulta com as comunidades, organizações, povos, nacionalidades e organizações sociais, decidimos participar do diálogo direto" com Moreno, afirmou a Confederação de Nacionalidades Indígenas (Conaie), a principal organização indígena do país, em um comunicado divulgado em uma rede social.

Nas ruas de Quito, porém, o clima esteve dividido entre a festa e o conflito. Enquanto pessoas caminhavam soprando vuvuzelas e agitando bandeiras brancas e do Equador, nos acampamentos indígenas fogueiras foram acesas com cartolinas e pedaços de madeira.

Também foram montadas barricadas de pedra para impedir o avanço da polícia. 

Esta, do outro lado do parque, tentava impedir que os indígenas avançassem em direção à Assembleia Nacional e ao centro histórico atirando bombas de gás lacrimogêneo.

Muita gente se protegia com máscaras vendidas a US$ 0,50 ou com folhas de eucalipto, que amenizam o efeito nas vias respiratórias. 

O jogral de vozes distintas era completado por uma numerosa marcha de mulheres, que vinha se aproximando de mãos dadas e gritando “fora, FMI” ao acampamento indígena.

Os gritos de “renuncia, Lenín” e “o povo, unido, jamais será vencido” eram ouvidos das caminhonetes que traziam gente para a concentração, uma vez que neste sábado não circulou transporte público.


CRONOLOGIA DOS PROTESTOS

21.fev
Equador e FMI acordam pacote de R$ 17 bilhões; órgão exige que país adote medidas de austeridade

3.out
Governo põe fim a subsídios de combustíveis, e preços sobem até 123%. Protestos começam e Executivo declara estado de exceção

4.out 
Mais de 350 pessoas são presas e 21 policiais ficam feridos. Grupo de 47 militares fica retido em comunidade indígena

5.out 
Trabalhadores do setor de transporte anunciam fim da greve, mas indígenas e sindicatos seguem mobilizados. Presos já são 379, e agentes feridos, 59

6.out 
Vinte são presos por cobrar preços abusivos de alimentos. Um homem morre após ambulância ficar bloqueada em estrada
 
7.out 
Presidente transfere sede do governo para Guayaquil e acusa seu antecessor, Rafael Correa, de tentar um golpe de Estado

9.out 
Indígenas lideram greve geral no país

12.out 
Indígenas aceitam dialogar com presidente 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.