Descrição de chapéu Diplomacia Brasileira

Chega de bajular Cuba, diz Ernesto Araújo sobre voto na ONU contrário a Havana

Para chanceler, influência de ilha sobre países em desenvolvimento precisa ser rompida

São Paulo

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, defendeu o voto do governo brasileiro contra a resolução anual da ONU que condena o embargo econômico americano a Cuba.

Em uma série de postagens no Twitter, nesta quinta-feira (7), o chanceler disse que o "Brasil votou a favor da verdade" e que é preciso deixar de "bajular Cuba".

"Nada nos solidariza com Cuba. O regime cubano, desde sua famigerada revolução 60 anos atrás, destruiu a liberdade de seu próprio povo, executou milhares de pessoas, criou um sistema econômico de miséria e, não satisfeito, tentou exportar essa 'revolução' para a América Latina", escreveu Ernesto.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante evento conservador em São Paulo
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante evento conservador em São Paulo - Bruno Santos - 12.out.19/Folhapress

O chanceler ainda afirmou que a influência que o país caribenho possui entre países em desenvolvimento é uma vergonha e precisa ser rompida. "Seu papel de sementeira de ditaduras precisa acabar."

Pela primeira vez em 27 anos, o Brasil cedeu às pressões dos EUA e deixou de condenar o embargo econômico a Cuba. Apenas Israel e Estados Unidos votaram da mesma maneira que o Brasil.

Nas últimas semanas, o governo americano, por meio da divisão de Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado, pediu duas vezes que o Itamaraty mudasse seu posicionamento histórico de rechaço a medidas econômicas unilaterais e se alinhasse aos EUA na votação.

Os americanos argumentaram que, ao condenar o embargo contra Cuba, o Brasil passaria a mensagem de que o regime hoje liderado por Miguel Díaz Canel pode continuar interferindo impunemente na Venezuela e que o governo brasileiro tolera as violações de direitos humanos da ditadura cubana.

O chanceler também afirmou que a Cuba de Fidel Castro se tornou um "centro regional de promoção e assistência a ditaduras comunistas". "Procuraram impor esse modelo ao Brasil e praticamente todos os países da América Latina. Nos anos 90, com Lula, Fidel Castro concebeu e instalou o Foro de São Paulo."

Mesmo países que têm relação muito próxima aos EUA e dependem pesadamente de ajuda econômica americana resistiram às pressões de Washington e se abstiveram na votação, caso de Colômbia e Ucrânia.

A Guatemala, único país a acompanhar os EUA e transferir sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, votou contra.

No total, foram três votos contra a resolução, duas abstenções e 187 votos a favor do texto que condena o embargo americano imposto há 50 anos, no início da revolução promovida por Fidel Castro. A Moldova não votou.

O voto brasileiro contraria o posicionamento histórico do Itamaraty de condenar medidas unilaterais econômicas contra países, vetadas pela legislação internacional e pela ONU.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.