Descrição de chapéu Brexit

Com lágrimas e cantoria, Parlamento europeu ratifica acordo do brexit

Eurodeputados aprovaram pacto de divórcio por ampla maioria, com 621 votos a favor e 49 contra

Bruxelas | AFP

O Parlamento europeu ratificou nesta quarta (29), por ampla maioria, o acordo de divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia (UE), pavimentando o caminho para a saída dos britânicos do bloco na próxima sexta-feira (31).

Membros britânicos do Parlamento Europeu, em Bruxelas, celebram aprovação do pacto de saída
Membros britânicos do Parlamento Europeu, em Bruxelas, celebram aprovação do pacto de saída - Francois Lenoir/Reuters

Com 621 votos a favor, 49 contra e 13 abstenções, os eurodeputados deram sinal verde ao pacto de divórcio ao fim de um emotivo debate, no qual diversos parlamentares choraram.

Após a votação, os parlamentares, muitos deles de mãos dadas, entoaram "Auld Lang Syne", tradicional canção escocesa em festas de Réveillon para se despedir do ano que passou.

Assim, três anos depois do referendo popular em que a permanência na UE foi rejeitada, o Reino Unido colocará um ponto final, no próximo dia 31, a 47 anos de participação no bloco, um grande revés para a integração europeia.

No começo do ano, em 9 de janeiro, a outra metade do acordo, representada pelo Parlamento britânico, já havia feito a sua parte para concretizar a saída da União Europeia. 

Com 330 votos a favor e 231 contrários, a Câmara dos Comuns (a Câmara baixa, a mais importante do Parlamento) aprovou em segunda votação o acordo de divórcio.

A aprovação pelos deputados britânicos era considerada a etapa mais difícil de toda a longa negociação com a Europa.

Foi, afinal, o fracasso em aprovar o acordo na Casa que derrubou a então primeira-ministra, Theresa May, fez o brexit ser adiado por três vezes e quase custou o cargo do atual premiê, Boris Johnson

Pressionado após ver os deputados rejeitarem repetidamente sua versão do acordo de saída no ano passado, Boris convocou uma eleição para o fim de 2019.

No pleito, seu Partido Conservador conquistou a ampla maioria das cadeiras do Parlamento, abrindo o caminho para a aprovação do pacto com tranquilidade. 

Com um período de transição apenas até o final do ano, novas negociações —cobrindo de comércio à segurança iniciarão em breve um novo relacionamento.

"Estamos considerando um acordo de livre comércio com tarifa zero e cotas zero. Mas a pré-condição é que as empresas da UE e do Reino Unido continuem a competir em igualdade de condições. Certamente não exporemos nossas empresas a concorrência desleal", disse Ursula von der Leyen, chefe da Comissão Europeia.

O negociador-chefe da UE, Michel Barnier, afirmou aos enviados dos 27 membros restantes do bloco que um acordo de associação frouxo como o bloco tem com a Ucrânia deve servir de base para as novas relações, de acordo com fontes diplomáticas.

"Não abriremos mão de questões importantes para nós", disse Barnier, segundo fontes com conhecimento da reunião realizada a portas fechadas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.