Ucrânia investiga se ataque de míssil ou terrorismo causou queda de avião no Irã

Aeronave com 176 pessoas pegou fogo no ar, segundo autoridades iranianas

São Paulo

O governo da Ucrânia revelou mais detalhes da investigação sobre a queda do voo PS752, em Teerã, que deixou 176 mortos na manhã de quarta-feira (8). Entre as possibilidades analisadas, estão a de que o avião tenha sido atingido por um míssil antiaéreo, que tenha ocorrido uma explosão interna, causada por terrorismo, ou uma falha técnica nos motores.

As possibilidades analisadas foram informadas por Oleksiy Danilov, chefe do Conselho de Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia, e divulgadas pela CNN e pela agência russa RT.

Destroço de avião que caiu em Teerã - Nazanin Tabatabaee - 8.jan.2020/Wana/Reuters

Há suspeitas de que um míssil antiaéreo, de origem russa, possa ter atingido a aeronave. Para investigar isso, haverá buscas por possíveis fragmentos desse tipo de artefato no local onde caíram os destroços do avião.

Também são analisadas as possibilidades de que tenha ocorrido uma colisão com um drone ou outro objeto voador, uma explosão interna feita por um ato terrorista ou uma falha técnica que levou à explosão no motor.

Uma comissão de 45 ucranianos foi enviada a Teerã para tratar do caso. Essa equipe conta com especialistas que participaram das investigações sobre o ataque com um míssil russo que derrubou o voo MH17, da Malaysia Airlines, em 2014, no espaço aéreo da Ucrânia.

A autoridade de aviação civil iraniana divulgou um comunicado nesta quinta (9) dizendo que, segundo testemunhas, o avião pegou fogo antes de cair, e o incêndio se alastrou rapidamente enquanto ele perdia altitude.

De acordo com o relatório, a aeronave teve um problema técnico logo após a decolagem e tentou retornar ao aeroporto antes da queda. No entanto, a falha em questão não foi revelada. 

Nenhuma comunicação por rádio foi realizada pelo piloto e a aeronave desapareceu dos radares quando estava a cerca de 2.500 mil metros de altitude.

De acordo com uma fonte próxima dos serviços de segurança do Canadá, ouvudo pela agência RFI, a principal suspeita é que o motor do avião tenha superaquecido. 

No acidente desta quarta, um Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines caiu cinco minutos após decolar do aeroporto internacional Imam Khomeini, em Teerã.

A aeronave, que decolou às 6h12 na hora local (23h42 de terça em Brasília) e seguia para Kiev, pegou fogo após a queda. Todas as 176 pessoas a bordo morreram, e ainda não se conhecem as causas do acidente —que chegou a ser relacionado à crise entre Irã e Estados Unidos.

Cinco horas antes da queda da aeronave, o Irã havia disparado mísseis contra bases americanas no Iraque, em resposta a um ataque dos EUA que matou o general Qassim Suleimani, principal autoridade militar iraniana.

Entre as vítimas, havia 82 iranianos, 63 canadenses e 11 ucranianos. Segundo o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, os passageiros fariam uma conexão para um voo com destino ao Canadá.

A mídia iraniana disse que o acidente foi causado por problemas técnicos. O piloto não chegou a declarar emergência nem pedir ajuda à torre de controle, disse a autoridade de aviação civil do Irã.

Segundo a agência Reuters, diferentes agências de inteligência de países ocidentais não encontraram nenhum indício de que o avião tenha sido derrubado de maneira proposital. 

Devido aos ataques, diversas companhias aéreas deixaram de sobrevoar os territórios do Irã e do Iraque. Voos para a região das empresas Lufthansa, Emirates e Flydubai foram cancelados. A FAA (Agência norte-americana de aviação civil) proibiu companhias aéreas dos EUA de atender a região.

As duas caixas-pretas foram encontradas. No entanto, a agência de aviação do Irã disse que não irá entregá-las aos EUA nem à Boeing. É comum que o fabricante do avião participe das investigações, de modo a buscar formas de prevenir desastres futuros. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.