Weintraub usa Cebolinha da Turma da Mônica para fazer chacota de chineses

Ministro da Educação ridiculariza sotaque de asiáticos em postagem com capa de gibi cujo enredo se passa na China

São Paulo

Em postagem numa rede social neste sábado (4), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para fazer chacota da China.

"Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?", escreveu o membro do gabinete do presidente Jair Bolsonaro, trocando a letra "r" por "l", assim como na criação de Mauricio de Sousa.

A mudança das letras ridiculariza o sotaque de muitos asiáticos ao falar português. Junto à postagem, Weintraub colocou a capa de um dos gibis da Turma da Mônica cujo enredo se passa na China.

Procurado, Mauricio de Sousa, por meio de sua assessoria, comunicou inicialmente não ter nada a declarar sobre o ocorrido.

Depois, enviou nota à Folha na qual afirma "não autorizar o uso de nossos personagens nessa postagem".

"A Mauricio de Sousa Produções tem uma relação de muitos anos de amizade e admiração com o povo da China. A nossa primeira publicação naquele país foi justamente sobre o descobrimento do Brasil", acrescenta.

"E, por aqui, fizemos um 'Saiba Mais!' (nossa publicação que aborda diversos assuntos educativos) para mostrar um pouco da rica história da China para os leitores brasileiros. Porque há 60 anos a Turma da Mônica preza pela amizade entre todos os povos. E continuará sendo assim."

Esse não é o primeiro ataque de uma pessoa ligada a Bolsonaro contra o país onde se registrou o começo da pandemia e que, por isso, é acusado de ter gerado a crise mundial da Covid-19.

Na noite do dia 18 de março, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, fez duras críticas ao deputado federal Eduardo Bolsonaro, após o filho do presidente, também em uma rede social, comparar a pandemia do coronavírus ao acidente nuclear de Tchernóbil, na Ucrânia, em 1986.

As autoridades, à época submetidas a Moscou, ocultaram a dimensão dos danos e adotaram medidas de emergência que custaram milhares de vidas.

"A culpa é da China [pela crise da Covid-19] e liberdade seria a solução."

O ministro Abraham Weintraub acompanha a cerimônia no Palácio da Alvorada, em Brasília
O ministro Abraham Weintraub acompanha a cerimônia no Palácio da Alvorada, em Brasília - Pedro Ladeira - 18.fev.20/Folhapress

O episódio gerou crise diplomática entre os países. Com a repercussão do caso, o deputado federal afirmou no dia seguinte às declarações que jamais quis ofender o povo chinês e ressaltou que o embaixador chinês não refutou seus argumentos sobre o surgimento do coronavírus.

Entre membros do Planalto, o vice-presidente Hamilton Mourão disse que o filho de Bolsonaro não falava em nome do governo, enquanto a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que a "posição do governo brasileiro é de amizade com a China".

A China é o maior parceiro comercial do Brasil. Em 2018, 26,7% das exportações brasileiras tiveram o país asiático como destino —Pequim lidera o ranking de compradores dos produtos brasileiros, segundo o Ministério da Economia. Entre 2003 e 2019, investiu US$ 79 bilhões no Brasil.

A crise fez com que o presidente brasileiro telefonasse para o dirigente da China, Xi Jinping, para aparar as arestas criadas pelo filho.

Ao comentar a ligação, também em uma rede social, Bolsonaro disse que ele e o líder chinês reafirmaram "nossos laços de amizade, troca de informações e ações sobre a Covid-19 e ampliação de nossos laços comerciais".

A imagem que acompanhou a postagem sobre o telefonema mostra a presença do chanceler Ernesto Araújo, da ministra da agricultura, Tereza Cristina, e do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, junto com o presidente no momento da conversa com Xi.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.