Descrição de chapéu Deutsche Welle

Alemanha proíbe todas as atividades do grupo libanês Hizbullah no país

Polícia alemã realizou operações contra a entidade em quatro cidades do país

DW

A Alemanha anunciou na quinta-feira (30) a proibição completa das atividades do movimento xiita libanês Hizbullah no país. A medida foi exigida por Estados Unidos e Israel.

Até agora, apenas as atividades do ramo militar do Hizbullah, considerado um movimento terrorista pelos países da União Europeia, eram proibidas, mas não as do seu ramo político, que organiza manifestações regulares ou ações anti-Israel.

Policiais alemães fazem operação contra membros do Hizbullah em Berlim - Hannibal Hanschke - 30.abr.2020/Reuters

O porta-voz do Ministério do Interior da Alemanha, Steve Alter, informou por meio do Twitter que o ministro alemão do Interior, Horst Seehofer, "proibiu hoje a atividade da organização terrorista xiita Hizbullah na Alemanha".

"Desde a manhã, várias ações policiais foram realizadas em várias regiões" contra estabelecimentos ligados ao movimento, acrescentou o porta-voz.

Os estabelecimentos mencionados são mesquitas em Berlim, como a de Al-Irschad, a mesquita de mesmo nome em Bremen, outra em Munster e um centro para imigrantes libaneses em Dortmund.

Na Alemanha, as autoridades estimam o número de membros do Hizbullah em 1.050, muitos dos quais são acusados pelo Ministério do Interior de organizar reuniões, recrutar apoiadores para o movimento e organizar manifestações pedindo a destruição de Israel.

EUA e Israel há muito tempo pressionam a Alemanha para proibir o grupo completamente.

O Comitê Judaico Americano (AJC) elogiou a decisão da Alemanha. "Agora esperamos que outros países europeus analisem atentamente a decisão da Alemanha e cheguem à mesma conclusão sobre a verdadeira natureza do Hizbullah", escreveu David Harris, presidente da AJC.

"Permitir que a ala 'política' [do Hizbullah] opere em solo europeu possibilita recrutamento ativo, captação de recursos e a propagação venenosa do antissemitismo", diz o comunicado.

O ministro do Exterior de Israel, Israel Katz, também elogiou a decisão. "Nas minhas conversas com [o ministro do Exterior alemão] Heiko Maas, ele prometeu ajudar, e eu agradeço a ele", escreveu Katz no Twitter. "O Hizbullah é uma organização terrorista e deve ser tratada como tal."

"Saudamos esse passo extremamente importante e significante da Alemanha no combate ao terrorismo internacional", escreveu o embaixador de Israel em Berlim, Jeremy Issacharoff, no Twitter.

"A decisão do governo de agir reflete a determinação do Ocidente de enfrentar a ameaça global do Hizbullah", afirmou o embaixador dos EUA em Berlim, Richard Grenell.

Ele também apelou a outros países da União Europeia e pediu aos Estados-membros da UE que apoiem a expansão da lista de terrorismo da UE e proíbam o Hizbullah na sua totalidade.

"Estamos prontos para cooperar com a Alemanha e todos os parceiros europeus por meio da aplicação da lei e do intercâmbio de informações de inteligência, a fim de tirar do Hizbullah qualquer margem de manobra na Europa", acrescentou o diplomata.

Em setembro, promotores federais alemães haviam recebido autorização para abrir processos criminais contra membros de organizações terroristas estrangeiras.

Em dezembro, o Parlamento alemão aprovou uma moção pedindo ao governo que proibisse todas as atividades do Hizbullah no país, citando suas "atividades terroristas", principalmente na Síria.

Em 2013, os ministros do Exterior da UE proibiram a ala militar do Hizbullah, mas não o seu trabalho político na Europa. Como resultado, sanções podem ser impostas a seus líderes militares.

O Reino Unido classificou o Hizbullah como organização terrorista em fevereiro do ano passado.

O Hizbullah foi acusado de realizar uma série de atentados contra alvos judeus e israelenses e é classificado como organização terrorista por Israel, países árabes do Golfo e pela Liga Árabe.

A organização política, militar e social islâmica xiita exerce poder considerável no Líbano. O Hizbullah – Partido de Deus– surgiu com o apoio do Irã durante a ocupação israelense do Líbano no início dos anos 1980, embora suas raízes ideológicas datem dos anos 1960.

As origens exatas do grupo são difíceis de identificar.

O Hizbullah também apoia o governo do primeiro-ministro libanês Hassan Diab, que assumiu o cargo em janeiro. As unidades militares da organização lutaram ao lado do exército do líder sírio Bashar Al-Assad.

O movimento é chefiado por Hassan Nasrallah desde 1992.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.