Aceitação da homossexualidade no Brasil cresceu de 61% em 2013 para 67% em 2019

País é 16º entre 34 Estados analisados em pesquisa feita pelo Instituto Pew

Belo Horizonte

Uma pesquisa do Instituto Pew indica que 67% dos brasileiros defendem que a homossexualidade seja aceita pela sociedade, um aumento de seis pontos percentuais desde a realização da última edição do levantamento, em 2013.

Entre os 34 países analisados, o Brasil aparece no 16º lugar, atrás dos outros dois Estados latino-americanos incluídos na pesquisa: México (14º) e Argentina (10º).

Ambos já apareciam à frente do Brasil no levantamento anterior e tiveram altas mais expressivas: 15 pontos percentuais entre os mexicanos e 10 entre os argentinos.

O país vizinho foi o primeiro entre os três a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, em 2010, durante o governo de Cristina Kirchner.

Público durante a 23ª Parada do Orgulho LGBT, na avenida Paulista, em São Paulo
Público durante a 23ª Parada do Orgulho LGBT, na avenida Paulista, em São Paulo - Eduardo Anizelli - 23.jun.19/Folhapress

No México, esse direito varia de uma região a outra. Na Cidade do México, o casamento gay foi legalizado em 2009, mas as uniões chanceladas na capital só passaram a ter validade em todo o território após uma decisão da Suprema Corte, em 2010.

Desde 2011, o casamento entre pessoas do mesmo gênero também foi legalizado nos estados de Coahuila e Chihuahua, ao norte, e Quintana Roo, ao sul.

Nos pólos extremos do ranking estão a Suécia, onde 94% se disseram a favor da aceitação da homossexualidade, e a Nigéria, na qual apenas 7% dos entrevistados responderam o mesmo.

A pesquisa, realizada em 2019 e divulgada nesta quinta-feira (25), mostra que, embora mais da metade dos entrevistados em 16 dos 34 países pesquisados diga que a homossexualidade deve ser aceita pela sociedade, discrepâncias expressivas entre os índices nacionais persistem.

Segundo o instituto, um dos fatores que influenciou as respostas é o alinhamento político dos entrevistados: pessoas mais à direita apoiam menos o tema do que quem está à esquerda no espectro político.

Nos Estados Unidos, 53% dos direitistas são a favor da aceitação —33 pontos percentuais atrás dos esquerdistas, que registraram 86%.

No país, pautas progressistas como a legalização do aborto e do casamento gay, além da proibição de discriminação de pessoas transexuais no ambiente de trabalho, ganharam terreno graças a decisões da Suprema Corte.

Os legisladores federais não conseguiram formar maioria para adotar leis sobre esses temas —nem a favor nem contra.

Essas demandas seguem sendo altamente sensíveis entre o eleitorado americano —a proibição do aborto, por exemplo, é uma das principais plataformas do Partido Republicano.

A preferência política também é acentuada nos países europeus com governos populistas de direita ou nos quais há participação expressiva de partidos com esse perfil na política nacional.

Na Hungria do premiê Viktor Orbán, por exemplo, 40% daqueles que se identificam com a direita responderam a favor, contra 61% daqueles que se alinham à esquerda.

Outro fator determinante para a percepção da homossexualidade, segundo o Instituto Pew, é a idade. Em 2 de cada 3 países analisados, os jovens se mostraram significativamente mais propensos a serem favoráveis na questão.

A diferença entre as respostas do grupo de 18 a 29 anos daquelas dos entrevistados de mais de 50 chegou a 56 pontos percentuais na Coreia do Sul, o país que mostrou a maior diferença geracional.

O Japão fica em segundo lugar nesse índice: a proporção de jovens favoráveis à aceitação é 36 pontos percentuais mais alta.

A capital coreana, Seul, também teve a maior diferença no recorte de gênero: 51% das mulheres se dizem a favor, enquanto 37% dos homens concordam com o posicionamento.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.