Descrição de chapéu
LATINOAMÉRICA21

Como os déspotas se apegam ao poder

Despotismo é um risco permanente e uma possibilidade na democracia

Carlos de la Torre

Professor e diretor do Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade da Flórida, Gainesville. Especializado em populismo, democratização e autoritarismo. Últimos livros: "O Routledge Reader of Global Populism" (2019) e "Populisms a Quick Immersion" (2019).

Latinoamérica21

John Keane em seu livro "O Novo Despotismo" aponta que uma das diferenças entre democratas e déspotas é como eles deixam o poder. Quando os democratas terminam seus mandatos, eles se reinventam, organizam fundações e ganham dinheiro dando palestras, mas eles sabem que não voltarão ao poder. Os déspotas que se enamoraram tanto do governo estão aterrorizados em deixá-lo. Seu maior medo é a morte política descrita pelo marechal Josip Broz Tito como a mais horrível das mortes. Tornar-se um cidadão comum deve ser uma tortura para aqueles que governaram como reis, colocando juízes submissos, abusando da lei e usando a máquina estatal para se perpetuarem no poder.

Talvez o caso mais trágico seja o de Evo Morales (2006-2019). Emergindo da extrema pobreza em que vivem os povos indígenas, ele chegou ao poder com a ajuda de poderosos movimentos sociais e prometeu governar obedecendo. Nos primeiros anos de seu governo, ele foi obrigado a reverter algumas de suas políticas públicas, tais como o aumento do preço da gasolina enquanto seus seguidores iam para as ruas e o lembravam que eles eram seus constituintes. Ao longo dos anos, seu círculo interno o convenceu de que ele era a figura indispensável e insubstituível para dar continuidade ao "projeto revolucionário". Ele perdeu um referendo para mudar a Constituição e permanecer no poder, mas isso não importou porque a Corte Constitucional considerou que o proibir de participar era contra seu direito humano de concorrer às eleições. Nas eleições presidenciais de outubro de 2019, quando a contagem dos votos foi interrompida, ele apareceu como o vencedor e as manifestações contra a fraude eleitoral provocaram um golpe de Estado e seu banimento.

Possivelmente Morales aprendeu com os maus julgamentos de Rafael Correa que governou durante uma década (2007-17) e que colocou seus antigos vice-presidentes Lenin Moreno e Jorge Glas no poder. Correa havia modificado a Constituição que ele mesmo havia feito para se eleger quantas vezes quisesse. Entretanto, em um contexto de crise econômica causada pelo desperdício da maior bonança petrolífera e com a possibilidade de não ganhar na primeira rodada, ele se afastou. Talvez ele pensasse que Lenín Moreno que está em uma cadeira de rodas iria se comportar como um cão fiel, mas obviamente Moreno tinha seu projeto e permitiu que as agências de controle e o sistema judicial investigassem os atos de corrupção e abusos de poder de seu mentor. O vice-presidente Jorge Glas está na cadeia, enquanto Correa e muitos de seus colaboradores mais próximos fugiram do país. Correa foi condenado na tentativa fracassada de sequestrar um político da oposição na Colômbia e usar doações corporativas para suas campanhas eleitorais. Como os julgamentos se enredam na Justiça, ele precisa voltar ao poder e acabar com o que ele considera sua perseguição política. Ele se candidatou à vice-presidência e está à procura de uma figura decorativa para a presidência.

Se Joe Biden vencer as eleições, o Partido Democrata se prepara para uma batalha legal, já que Trump provavelmente tentará se manter no poder de qualquer forma. Ele denunciará a fraude e mobilizará seus apoiadores que foram vistos como armados até os dentes quando protestaram contra o bloqueio do Coronavírus. Trump não se parece apenas com outro político. Ele é o líder de um movimento que procura impor a lei e a ordem para retomar os Estados Unidos para cidadãos brancos, cristãos, heterossexuais e ultraconservadores. Embora muitos de seus impulsos tenham sido refreados por instituições democráticas, ele busca um segundo mandato através da politização do ódio e do medo racistas.

Donald Trump na Casa Branca - Jonathan Ernst-13.jul.20/Reuters

Os déspotas criam redes de corrupção e patrocínio. Eles usam eleições nas quais tentam vencer a todo custo, mesmo inclinando o campo eleitoral a seu favor. Eles afirmam ser a encarnação do verdadeiro povo e estar lutando contra inimigos poderosos. Mas nem todos os déspotas são iguais. Nos 13 anos em que esteve no poder, Morales deu dignidade e recursos aos mais pobres dos pobres, que são em sua maioria indígenas. Ele lidou bem com a economia, mas agiu como um tirano quando usou todos os tipos de truques para se manter no poder. Correa, que se diz de esquerda, perseguiu os movimentos sociais e à esquerda, esbanjou petrodólares em obras faraônicas como refinarias que não foram construídas e barragens hidrelétricas que eram superfaturadas. Trump favoreceu os milionários e a brancura politizada como uma identidade que deveria ser protegida a todo custo para satisfazer suas bases xenófobas e racistas.

Deve ser muito difícil ser um democrata porque parece que o poder é uma droga tão viciante quanto saborosa. O despotismo é um risco permanente e uma possibilidade na democracia. Não se deve às características do líder, mas às condições sociais que permitem que um indivíduo seja transformado no redentor do país. Quando os cidadãos sentem que os políticos não os representam, quando as instituições são vistas como impedimentos à expressão da vontade popular, surgem populistas que dizem que devolverão o poder ao povo. Quando chegam ao poder, tentam colonizar as instituições do Estado para marginalizar seus inimigos. A política torna-se uma guerra entre grupos antagônicos e a dinâmica da polarização prejudica a coexistência e as instituições democráticas. A democracia é baseada na dispersão do poder nas instituições e na liderança. Se uma pessoa é transformada por seus seguidores na encarnação do próprio povo, as democracias se desfiguram e adquirem características despóticas quando impõem a vontade de um partido a toda a população.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.