Convidado para chefiar missão no Líbano, Temer precisa de autorização para sair do país

Por duas vezes no ano passado ex-presidente recorreu a juízes para fazer viagens internacionais

São Paulo

Após ser convidado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para chefiar a missão brasileira de ajuda ao Líbano, o ex-presidente Michel Temer ainda precisará da autorização da Justiça antes de sair do Brasil.

A informação foi confirmada neste domingo (9) pelo advogado de Temer, Eduardo Carnelós, que também afirmou que o pedido para que a viagem seja realizada já está pronto para ser entregue à Justiça.

O ex-presidente Michel Temer durante entrevista no Palácio do Planalto, em Brasília
O ex-presidente Michel Temer durante entrevista no Palácio do Planalto, em Brasília - Pedro Ladeira - 14.ago.18/Folhapress

O ex-presidente é alvo de sete processos que tramitam no Rio, no Distrito Federal e em São Paulo e chegou a ser preso preventivamente pela operação Lava Jato fluminense em março de 2019.

Ao deixar a cadeia, o ex-presidente teve o passaporte retido, uma das condições impostas ao sair da prisão. Por duas vezes, em 2019, recorreu a juízes de segunda instância para fazer viagens internacionais.

Filho de libaneses, Temer foi convidado para liderar a missão brasileira de apoio ao país no Oriente médio.

A capital libanesa foi atingida por uma enorme explosão na última terça (4) em sua região portuária, o que deixou ao menos 158 mortos, além de cerca de 6.000 feridos.

Em nota, Temer se disse honrado com o convite. "Quando o ato for publicado no Diário Oficial serão tomadas as medidas necessárias para viabilizar a tarefa", afirmou. Um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) com ajuda humanitária deve partir para o Líbano nos próximos dias.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.