Alemanha bane grupo de extrema direita que defendia criação de Estado nazista

Governo tenta conter ressurgimento de organizações que ganharam força em atos contra medidas de restrição devido à pandemia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Frankfurt | AFP

A Alemanha declarou nesta terça-feira (1º) como ilegal o grupo neonazista Sturmbrigade 44. Pela manhã, a polícia alemã apreendeu em vários estados armas e bandeiras nazistas de membros da organização, também conhecida como Wolfsbrigade 44.

A classificação permite que autoridades confisquem bens e materiais de propaganda. Segundo o site de notícias Deutsche Welle, a polícia realizou operações nas casas de 13 membros do movimento.

Imagem mostra multidão nas ruas de Friedrichstrasse em protesto contra as medidas de prevenção a pandemia
Manifestantes marcham na Friedrichstrasse, em Berlim, contra as medidas de combate ao coronavírus - John MacDougall/AFP

De acordo com o ministro do Interior, Horst Seehofer, que anunciou a medida, o grupo, fundado em 2016, promove discurso de ódio e defende o reestabelecimento de um Estado nazista no país.

"Quem tentar minar os valores fundamentais de nossa sociedade liberal enfrentará a reação determinada do Estado constitucional", afirmou ele em um comunicado.

Segundo o governo alemão, os integrantes da organização expressam apoio ao ditador nazista Adolf Hitler. Eles também usavam vestimentas militares e disseminavam discurso racista.

Movimentos neonazistas ganharam força neste ano. Em agosto, um desses grupos levou mais de 10 mil pessoas às ruas de Berlim para protestar contras medidas de combate à pandemia. Os manifestantes não usavam máscara e carregavam a bandeira do exército nazista durante a Segunda Guerra.

O governo de Berlim passou a proibir atos contra as regras para impedir a disseminação do coronavírus, como uma marcha que reuniria 20 mil pessoas, interrompida pela polícia no final daquele mês.

No último ano, o governo alemão atuou para reprimir movimentos neonazistas no país. Em julho de 2019, a polícia já havia organizado operações em vários apartamentos de integrantes do Sturmbrigade 44.

Em novembro do ano passado, promotores indiciaram 12 integrantes de organizações de extrema direita, acusadas de conspirar para cometer ataques terroristas contra políticos, solicitantes de asilo e muçulmanos. Em fevereiro de 2020, um partidário de teorias racistas e antissemitas matou dez pessoas de origem estrangeira em Hanau, ao leste de Frankfurt.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.