Em despedida, Eduardo Bolsonaro louva premiê autoritário e príncipe acusado de assassinato

Filho do presidente deixa cargo na Comissão de Relações Exteriores da Câmara; seu sucessor será Aécio Neves

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

Em seu discurso de despedida da presidência da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) agradeceu nominalmente ao príncipe saudita Mohammed bin Salman, acusado de assassinar e mutilar o jornalista Jamal Khashoggi, crítico de seu regime.

O filho do presidente Jair Bolsonaro também agradeceu ao premiê da Hungria, Viktor Orbán, de ultradireita e que vem atuando contra a oposição e a imprensa local. O filho 03 disse que o país é "referência".

A Comissão de Relações Exteriores da Câmara elegeu na manhã desta sexta-feira (12) Aécio Neves (PSDB-MG) para a presidência do órgão em 2021, com 25 votos a favor e seis contrários.

Aécio substituirá o filho de Bolsonaro, que esteve por dois mandatos à frente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional —não houve troca em 2020 devido à pandemia.

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília
O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília - Evaristo Sá - 17.abr.20/AFP

Num discurso em que defendeu suas ações e as do governo, Eduardo destacou um anúncio de 2019, durante visita do presidente à Arábia Saudita, de que o fundo público do país árabe investiria US$ 10 bilhões (R$ 55,7 bilhões) no Brasil. "Exemplo objetivo deste trabalho é o acordo com o fundo de investimento público saudita para explorar oportunidades no Brasil, com investimentos mutuamente benéficos em até US$ 10 bilhões. Obrigado, príncipe Mohammad bin Salman", disse o deputado.

MbS, sigla pela qual o príncipe é conhecido, é acusado de ser o mandante do assassinato de Jamal Khashoggi, colunista do jornal americano The Washington Post. Ele foi morto dentro do consulado saudita em Istambul, em outubro de 2018. Relatório divulgado neste ano pela inteligência dos Estados Unidos responsabilizou o príncipe pela morte do jornalista.

Eduardo Bolsonaro também exaltou a atual relação do Brasil com Israel, que ele afirma ter sido duramente abalada no período de Dilma Rousseff na Presidência. Durante a administração petista, o governo recusou as credenciais do embaixador israelense designado para atuar no Brasil.

O deputado federal também agradeceu ao primeiro-ministro da Hungria, muito criticado na Europa por suas investidas contra a imprensa livre e a oposição em seu país. "Também agradeço a deferência do chanceler da Hungria, Péter Szijjártó, e o premiê Viktor Orbán, que tão bem me receberam em minha visita à Hungria, país que, para mim, é referência em várias áreas."

O parlamentar afirmou, misturando as ações da comissão com as do governo outra vez, que houve uma ruptura com uma diplomacia permeada pelo que chamou de "atrasos" e que o Brasil é tratado como um pária internacional, mas vem recebendo investimentos estrangeiros em nível elevado.

"A nossa política externa rompeu com vícios e atrasos e hoje prioriza os verdadeiros interesses nacionais. Os resultados são tangíveis apesar da campanha sórdida levada a cabo especialmente no exterior, não contra esse governo, mas contra o país", afirmou o deputado. "Sim, a imagem do Brasil lá fora tem sido objeto de uma ofensiva perpetrada por aqueles que se proclamam democráticos, mas que não aceitam a vontade expressa nas urnas em 2018 por quase 60 milhões de brasileiros."

Aécio, o novo presidente da comissão, por sua vez, sinalizou que atuará em uma direção contrária à de Eduardo Bolsonaro. Em seu discurso, exaltou a defesa do multilateralismo, dos direitos humanos e do meio ambiente, temas frequentemente sob ataque bolsonarista.

"A política externa brasileira deve ter como foco o multilateralismo, nosso relacionamento internacional há de ser amplo, universal, sem exclusões ou alinhamentos automáticos", disse ele. "O Brasil precisa amplificar sua atuação em grandes temas globais e se inserir em debates mais amplos nos quais nossa contribuição como país é relevante, especialmente em assuntos relacionados aos direitos humanos, ao meio ambiente, à cooperação no combate internacional de pessoas, armas e drogas."

O tucano disse ainda que "é preciso enfatizar nesse instante o necessário e urgente enfrentamento à pandemia, que tem assolado o mundo e, de uma maneira especial, o Brasil".

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.