Descrição de chapéu Venezuela América Latina

Ditadura de Maduro confisca prédio do principal jornal da Venezuela

Execução de sentença em favor de líder chavista ocorre no momento em que regime e oposição ensaiam diálogo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Buenos Aires

A Justiça venezuelana, alinhada ao regime do ditador Nicolás Maduro, confiscou no fim da tarde desta sexta-feira (14) o prédio que abriga a sede do Nacional, principal jornal venezuelano.

A medida é parte da execução da sentença por dano moral decidida em favor do homem-forte do chavismo, Diosdado Cabello —no mês passado, o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) ordenou que o jornal pague US$ 13,4 milhões ao líder chavista. A ação cita uma reportagem republicada pelo mais tradicional diário de Caracas sobre a suspeita de envolvimento de Cabello com o narcotráfico.

Membro da Guarda Nacional Bolivariana na entrada do jornal El Nacional, em Caracas - Yuri Cortez/AFP

Jorge Makriniotis, gerente-geral do jornal, divulgou um vídeo do momento em que policiais lacram o edifício, cumprindo a ordem judicial. "Depois de 78 anos de história, defendendo a liberdade de expressão, o Nacional está sendo invadido e está sendo confiscado. Isso é um ataque contra a democracia", afirmou.

O episódio ocorre no momento em que o regime dá mostras de querer dialogar com a oposição liderada por Juan Guaidó, apoiado pelos EUA sob Joe Biden. Nas últimas semanas, Maduro havia tomado decisões interpretadas como gestos de boa vontade por alguns atores internacionais, incluindo o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, órgãos de direitos humanos e o Grupo de Contato Internacional.

Entre as medidas estavam a escolha de dois membros não chavistas para o Conselho Nacional Eleitoral, a transferência para prisão domiciliar de seis executivos da petrolífera Citgo e a determinação de permitir assistência do World Food Program para crianças desnutridas.

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

Maduro também declarou que está "pronto para conversar" com Guaidó. "Com a ajuda da União Europeia, do governo da Noruega, do Grupo de Contato, quando quiserem, onde quiserem e como quiserem".

Guaidó, que vinha recebendo críticas de outros setores da oposição, teve respaldo do governo americano por meio de Julie Chang, subsecretária para o Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado. "Apoiamos Juan Guaidó e os esforços da oposição venezuelana para restaurar pacificamente a democracia na Venezuela por meio de eleições presidenciais e parlamentares livres e justas", disse ela.

Os diálogos visam a realização de eleições regionais livres no fim do ano.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.